Redes produtivas de saber/poder

gênero e matemáticas sob análise de estudantes

Autores

  • Vanessa Neto UFMS
  • Luiza Borges Universidade Federal de Ouro Preto
  • Thays Alves Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i3.2833

Palavras-chave:

Gênero. Matemáticas. Análise do Discurso. Saber. Poder.

Resumo

O presente artigo traz alguns dos resultados de uma investigação cujo desenvolvimento da etapa inicial se deu com oito estudantes do nono ano do Ensino Fundamental e do primeiro ano do Ensino Médio, participantes de um curso preparatório para ingresso no Instituto Federal de Minas Gerais. Tal trabalho é parte do projeto de pesquisa intitulado “Onde aprendemos a viver o gênero? Nas aulas de matemática!”. Neste recorte, o objetivo foi compreender como estudantes da Educação Básica entendem, vivenciam e experienciam as questões de gênero no seu cotidiano (escolar, mas não só), especialmente em suas relações com a matemática enquanto ciência. Os resultados aqui apresentados são fruto de duas reuniões realizadas de forma virtual devido à pandemia da Covid-19. Buscando sustentação nas teorizações pós-coloniais, a questão “o que a matemática tem a ver com as questões de gênero?” abriu as reuniões e conduziu a seleção de materiais que tinham o papel de disparar as discussões, tais como notícias que circulam nas mídias, resultados de pesquisa apresentados em diversos relatórios que tratam da temática e vídeos institucionais que abordam os assuntos pertinentes ao desenvolvimento da investigação. Todo o trabalho de construção e tratamento dos dados foi realizado à luz da análise do discurso foucaultiana. Neste texto, serão apresentados dois enunciados, quais sejam: “a contribuição [invisível] de mulheres para o desenvolvimento da sociedade” e “mulheres não gostam de matemática”. Ambos os enunciados foram tratados a partir de uma compreensão de gênero como discursivamente produzido, num entendimento butleriano do termo e da matemática escolar como política cultural. Tal pesquisa, de cunho qualitativo, revelou que as performances de gênero são ainda marcadamente estereotipadas nas vivências dos estudantes, ao mesmo tempo em que há um processo ascendente de engajamento e questionamento dos espaços aos quais os corpos que performam o feminino podem, ou não, ocupar, espaços em que predomina o conhecimento matemático, por exemplo. Portanto, esses espaços são problematizados pelos estudantes participantes da pesquisa, esgarçando a fronteira entre os saberes.

Referências

Butler, J. (2010) Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Civilização Brasileira.

Butler, J. (2020) Corpos que importam: Os limites discursivos do “sexo”. N-1 edições.

Fischer, R. M. B. (2001) Foucault e a Análise do Discurso em Educação. Cadernos de Pesquisa, (114)

Fischer, R. M. B. (2003) Foucault revoluciona a pesquisa em educação? Perspectiva, Florianópolis, 21(2).

Foucault, M. (1998). Microfísica do Poder. In R. Machado (Trans.), 1979 (13th ed., Vol. 7). Edições Graal.

Foucault, M. (2014) Ditos e Escritos IX: genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. Forense Universitária.

Foucault, M. (2020) História da sexualidade 2: O uso dos prazeres. Paz e Terra.

Leder, G. (1992) Mathematics and gender: Changing perspectives. In D. A. Grouws (Ed.), Handbook of research on mathematics teaching and learning (597–622). Macmillan.

Louro, G. (2014) Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Vozes.

Louro, G. (2020) Um corpo estranho: ensaios sobre a sexualidade e a teoria queer. Autêntica Editora.

OECD. (2013) PISA 2012 Results: What Students Know and Can Do (Volume I): Student Performance in Mathematics, Reading and Science, OECD Publishing.

Macedo, E. (2006) Currículo: Política, Cultura e Poder. Currículo sem Fronteiras, 6 (2), 98-113.

Martin, D. B. (2007) Mathematics learning and participation in the African-American context: The co-construction of identity in two intersecting realms of experience. In: Nasir; N. S.; Cobb, P. (Eds.) Improving Access to Mathematics, 146-158. Teachers College Press.

Mead, M. (1971) Macho e fêmea. Editora Vozes.

Neto, V. (2019) Quando aprendo matemática, também aprendo a viver no campo? Mapeando subjetividades. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PRPG), Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Campo Grande.

Neto, V.; Guida, A. M. (2020) Constituição do Sujeito-mãe nos Livros Didáticos de Matemática da Educação do Campo. Educação, 45.

Neto, V.; Batista, R. (2020) Problematizando a Agenda da Educação 2030: Relatório da UNESCO, Relações de Gênero, Educação STEM e Direitos Humanos. Revista de Educação Matemática, 17.

Nunes Viana, B. L., & Viola dos Santos, J. R. . (2021). Um Convite para Encontros com Escolas Outras. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 153-172. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2554

Organization for Economic Co-Operation and Development [OECD]. (2013) PISA 2012 assessment and analytical framework: Mathematics, reading, science, problem solving and financial literacy. Paris: OECD Publishing.

Sachet, B., & Rosa, M. (2021). A Concepção de Gênero por Meio de Memes em uma Aula de Matemática: uma análise sob as lentes da decolonialidade. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 105-124. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2562

Souza, M. C. R. R.; Fonseca, M. C. F. R. (2010) Relações de Gênero, Educação Matemática e discurso: enunciados sobre mulheres, homens e matemática. Autêntica Editora.

Valero, P. (2017) Mathematics for all, economic growth, and the making of the citizen-worker. In T. S. Popkewitz, J. Diaz, & C. Kirchgasler (Eds.), A political sociology of educational knowledge: Studies of exclusions and difference (117- 132). New York: Routledge.

Valero, P. (2018) Human Capitals: School Mathematics and the Making of the Homus Oeconomicus. In: Journal of Urban Mathematics Education, 11 (1&2).

UNESCO (2018). Decifrando o código: educação de meninas e mulheres em ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM). Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, 7, place de Fontenoy, 75352 Paris 07 SP, França, e pela Representação da UNESCO no Brasil.

Publicado

2021-08-02

Como Citar

Neto, V., Borges, L., & Alves, T. (2021). Redes produtivas de saber/poder: gênero e matemáticas sob análise de estudantes . Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(3), 173-188. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i3.2833