Alargando Sentidos

o que queremos dizer por decolonizar currículos em matemática?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2755

Palavras-chave:

Decolonialidade, REdu

Biografia do Autor

Victor Augusto Giraldo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor Associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Docente dos Programas de Pós-Graduação em Ensino de Matemática e em Educação

Referências

D’Ambrosio, U. (2001). Etnomatemática: Elo entre as Tradições e a Modernidade. Belo Horizonte: Editora Autêntica.

Dussel, E. (1992). 1492: El encubrimiento del Otro. Hacia el origen del mito de la Modernidad. Madrid: Nueva Utopía.

Fanon, F. (2008). Pele Negra, Máscaras Brancas. Salvador: EDUFBA (Publicação original: 1952).

Giraldo, V., & Fernandes, F. (2019). Caravelas à vista: giros decoloniais e caminhos de resistência na formação de professoras e professores que ensinam matemática. Perspectivas da Educação Matemática, 12(30),467-501.

Giraldo, V., Matos, D.,&Quintaneiro, W. (2020). Entre epistemologias hegemônicas e sabedorias outras: a matemática na encruzilhada. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 13(1), 49-66.

Giraldo, V. (2021). O necessário diálogo entre raça, gênero, educação e ciências exatas. Ciencia Hoje, 374. Disponível em: https://cienciahoje.org.br/artigo/o-necessario-dialogo-entre-raca-genero-educacao-e-ciencias-exatas/

Gomes, N. L. (2018). O Movimento Negro e a Intelectualidade Negra Descolonizando os Currículos. In: Bernardino-Costa, J.; Maldonado-Torres, N.; Grosfoguel, R. Decolonialidade e Pensamento Afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica.

Jesus, C. M. de (1960). Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1960.

Jesus, C. M. de (1961). Casa de Alvenaria: Diário de uma Ex-Favelada. Rio de Janeiro: Editora Paulo de Azevedo, 1961.

Krenak, A. (2019). Ideias para Adiar o Fim do Mundo. Rio de Janeiro: Companhia das Letras.

Macedo, E. (2006). Currículo como espaço-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educação, 11(32), 285-296.

Quijano, A. (2000). Colonialidad del poder, eurocentrismo y américa latina. In: E. Lander (Eds.), La Colonialidad del Saber: Eurocentrismo y Ciencias Sociales (pp. 201-246) Buenos Aires: CLACSO.

Rufino, L. (2018) Pedagogias das encruzilhadas. Revista Periferia, 10(1), 71-88.

Simas, L. A., & Rufino, L. (2018). Fogo no Mato: a Ciência Encantada das Macumbas. Rio de Janeiro: Mórula.

Skovsmose, O. (2017). Educação Matemática Crítica: A Questão da Democracia. Campinas: Papirus Editora.

Walsh, C. (2013).Pedagogías Decoloniales: Prácticas Insurgentes de Resistir, (Re)Existir y (Re)Vivir.Quito: Abya Yala.

Walsh, C. (2017). ¿Interculturalidad y (de)colonialidad? Gritos, grietas y siembras desde Abya Yala. In: Diniz, a. G.; Pereira, D. A. (Coords.). Poéticas ePolíticas da Linguagem em Vias de Descolonização (pp. 19-53). Foz do Iguaçu: UNILA.

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Giraldo, V. A. (2021). Alargando Sentidos: o que queremos dizer por decolonizar currículos em matemática?. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 01-08. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2755