Exploração de Algoritmos Históricos de Multiplicação

um diálogo entre Paulo Freire e ideias decoloniais

Autores

  • Bernadete Verônica Hoffman UFES
  • Thiarla Xavier Dal-Cin Zanon IFES - Campus de Cachoeiro de Itapemirim

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2563

Palavras-chave:

Multiplicação. Algoritmos históricos. Oficina. Opressão

Resumo

Relata-se aqui um trabalho com alunos do 5º anode uma escola pública, em que se exploram algoritmos alternativos de multiplicação. Estes foram desenvolvidos em oficina na escola em que os estudantes os ensinaram aos pais e familiares. Como a turmajá resolvia amultiplicação pelo algoritmo usual, ampliou-se sua compreensão, desafiando-os a descobrir “outros jeitos” de efetuá-la, aprendendo o algoritmo árabe (ou gelosia), o russo e o chinês. O estudo foi desenvolvido na perspectiva em que o professor deixa de ser detentor do conhecimento e estabelece com o estudante um círculo de saberes em que todos ensinam e aprendem: professores, pais e alunos, de acordo com Santos (1997), Hoffman (2012) e Freire (1996; 1987). Busca-se um ensino de matemática em que o estudante constrói conhecimentoà medida que desenvolve a sua autonomia de pensamento quando discute com seus pares e professor. Corroborando esse pensamento, as ideias decoloniais se fundem àquelas de Freire (1987), quando os estudantes redescobriram procedimentos históricos de culturas diferentes, reinventaram soluções para a multiplicação com zero na ordem das dezenas e melhor compreenderam os agrupamentos na base dez. A aprendizagem da multiplicação ocorreu com ludicidade, enquanto o estudante construía a concepção de matemática como criação humana, em diferentes espaços e tempos, e não como um conhecimento pronto e acabado que deveriam aprender (Zonzini, 2016). A experiência mostrou que todoscompreenderama operação, melhoraram o raciocínio multiplicativo e iniciaram a construção de conceitos geométricos. Os estudantes partilharam com familiares novas aprendizagensem uma relação dialógica que trouxe motivação e curiosidade sobre os algoritmos e suas origens. Ademais, perceberam a matemática como aprendível e prazerosa, um saber que liberta, e não exclui; portanto, precursor de uma nova racionalidade que se discute na perspectiva da decolonialidade.

Referências

Arrais, U. B. (2006).Expressões aritméticas: crenças, concepções e competências no entendimento dos professores polivalentes. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática – Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Barbier, R. (2007). A pesquisa-ação na instituição educativa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora.

Bonner, W. (2020). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística mede o problema da evasão escolar. Jornal Nacional. Recuperado em 25 de outubro de https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2020/07/15.

Brasil. (1997). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática. Brasília: MEC/SEF.

Caraça, B. de J. (1984). Conceitos fundamentais da Matemática. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora. (A obra original foi publicada em 1948.)

Freire, P. (1996).Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo SP: Paz e Terra, (Coleção Leitura).

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Giraldo, V.; Fernandes, F. S. (2019). Caravelas à vista: giros decoloniais e caminhos de resistência na formação de professoras e professores que ensinam matemática. Perspectiva da Educação Matemática, NIMA/UFMS, v. 12, n. 30, 467-501.

Gómez-Chacón, I. M. (2003).Matemática emocional: os afetos na aprendizagem matemática. Tradução de Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: Artmed.

Hoffman, B. V. C. (2012). O uso de diferentes formas de comunicação em aulas de matemática no ensino fundamental. 290f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Lopes, R. C. (2003). Uma reflexão sobre o processo do ensino/aprendizagem da operação de multiplicação implementado numa classe de alunos jovens e adultos. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Loureiro, C. (2004).Algoritmos para as quatro operações. Adaptação do texto: Algoritmos com sentido numérico: em defesa da calculadora. Educação e Matemática, n. 77, 22-29. APM, Lisboa, Portugal. Recuperado em 20 de outubro de 2020, em construtor.aprendebrasil.com.br.

Nunes, T; Campos, T. M. M.; Magina, S.; Bryant, P. (2005).Educação matemática1: números e operações numéricas. São Paulo: Cortez.

Penna, C. (2014). Paulo Freire no pensamento decolonial: um olhar pedagógico sobre a teoria pós-colonial latino-americana. Revista de Estudos e Pesquisas sobreas Américas. v. 8, n. 2, 181-199.

Santos, V. M. P. (1997). (Coord.).Avaliação de aprendizagem e raciocínio em matemática:métodos alternativos. Rio de Janeiro: Projeto Fundão, Instituto de Matemática da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Silva, S. A. F. da. (2009). Aprendizagens de professoras num grupo de estudos sobre matemática nas séries iniciais. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Vale, I.; Pimentel, T.; Barbosa, A. (2015). Ensinar matemática com resolução de problemas.Quadrante, v. XXIV, n. 2, 39-61.

Vergnaud, G. (2009).A criança, a matemática e a realidade: problemas do ensino da matemática na escola elementar. Tradução de Maria Lucia Faria Moro; revisão de Maria Teresa Carneiro Soares. Curitiba: Ed. da UFPR. (Originalmente publicado em 1981, sob o título: L`enfant, la mathématique e la réalité.).

Zibetti, T. M. L.; Souza, M. P. R. de. (2007). Apropriação e mobilização de saberes na prática pedagógica: contribuição para a formação de professores. Revista Educação e Pesquisa. v.33, n.2, maio/agosto, 247-262.

Zanon, T. X. D. (2011). Formação continuada de professores que ensinam matemática: o que pensam e sentem sobre ensino, aprendizagem e avaliação.300f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Zonzini, C. dos S. F. (2016).Algoritmos de multiplicação: uma experiência no Ensino Fundamental. Dissertação - Mestrado Profissional em Matemática) - Universidade de Brasília, DF, Brasília.

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Hoffman, B. V., & Xavier Dal-Cin Zanon, T. . (2021). Exploração de Algoritmos Históricos de Multiplicação: um diálogo entre Paulo Freire e ideias decoloniais. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 66-90. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2563

Edição

Seção

Dossiê "Educação Matemática e Decolonialidade"