A Concepção de Gênero por Meio de Memes em uma Aula de Matemática: uma análise sob as lentes da decolonialidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2562

Palavras-chave:

Educação Matemática., Memes da internet, Atividades matemáticas, Machismo, Sexismo

Resumo

Essa pesquisa objetiva investigar como se apresenta a concepção de gênero de alunos e alunas do 1º ano do Ensino Médio evidenciadas por meio de atividades com memes em uma aula de matemática. Nesse sentido, teoricamente nos sustentamos em estudos sobre gênero e decolonialidade, focando, principalmente, a ideia de decolonialidade de gênero, a qual se opõe à colonialidade de gênero que é evidenciada sob uma perspectiva eurocêntrica do saber, ou seja, como algo pertencente ao homem-branco, no nosso caso, efetivamente o saber matemático. Assim, desenvolvemos atividades com memes da internet que tratavam da temática gênero, perpetuando uma posição colonial, assim como, memes que referenciam a mulher como não detentora do saber lógico-matemático. Essas atividades foram fontes de reflexão sobre a própria concepção de gênero de cada estudante e propiciaram que essas concepções viessem à tona. Nossos resultados traçam um perfil de indiferença, por parte de alguns alunos, em um primeiro momento, quanto a naturalizações coloniais sobre as relações entre homens e mulheres. Ou seja, há, por vezes, uma despreocupação com o fato do acesso ao corpo feminino ser de decisão do homem na colonialidade das relações afetivas. Sugere, ainda, generalizações das mulheres a fim de justificar determinados comportamentos e defender as atitudes de acesso ao corpo. No entanto, a reflexão pode levar, ao mesmo tempo, a uma postura que encara que a mulher não é menos incapaz que o homem, que não deixa de saber matemática, que possui raciocínio lógico, bem como, o fato dela ser livre para escolher o que quiser ser.

Referências

Araújo, F. (2019). Colonialismo. Disponível em: <https://www.infoescola.com/historia/ colonialismo/>. Acesso em 15 ago. 2019.

Bianca, B. (2020) Piadas. Disponível em: <https://www.piadas.com.br/blogs/brunabianca/piada-desejo-ser-boa-motorista>. Acesso em: 25 ago. 2020.

Bogdan, R. & Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação – uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Díaz, C. M. C. (2013). Defining and characterizing the concept of Internet Meme. Revista CES Psicología, Medellín, v. 6, n. 2, p. 82-104.

Diejoy (2019). Memedroid. Disponível em: https://pt.memedroid.com/memes/detail/8504. Acesso em: 10 ago. 2019.

Freire, P. (2004). Pedagogia da indignação. 6ª ed. São Paulo: UNESP.

Friske, A. L.& Rosa, M. (2019). Formação com Professores por meio da Construção de Atividades-Matemáticas-com-Memes. In: Simpósio + Exposição MUSEUdeMEMES: a política dos memes e os memes da política, 1, 2019, Niterói. Anais... Porto Alegre, 2019. p. 233-247.

Gomes, C. M. (2018) Gênero como categoria de análise decolonial. Civitas, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 65-82.

Krohn, A. (2020). Amanda Crônica. Disponível em: <https://amandacronica.blogspot.com/2017/12/como-saber-se-voce-e-machista.html >. Acesso em: 25 ago. 2020.

Louro, G. L. (1997) Gênero, sexualidade e educação: uma abordagem pós-estruturalista. 6ª ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 184p.

Louro, G. L. (2008). Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posição, Campinas, v. 19, n. 2, p. 1-7, maio/ago. 2008.

Lugones, M. (2014). Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952.

Maldonado-Torres, N. (2007). Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: S. Castro-Gómez & R. Grosfoguel. El giro decolonial: reflexiones para uma diversidade epistêmica más allá del capitalismo global. 1. ed. Bogotá: Siglo del Hombre Editores/Instituto Pensar, cap.7, p. 127-167.

Marçal, R. (2019). Vacilandia. Disponível em: <http://vacilandia.com/wp-content/uploads/2019/02/Alfinhas-e-a-maquiagem.png>. Acesso em: 22 jul. 2019.

Meneses, C. S. (2012) Relações de Gênero na rede social: um olhar sobre o “Manual para entender as mulheres”. In: Congresso Nacional de Linguística e Filosofia, 16. Anais... Rio de Janeiro: CiFEFiL. p. 2636 – 2654.

Pinto, D. M. (2019). Experiências com matemática(s) na escola e na formação inicial de professores: desvelando tensões em relações de colonialidade. Tese (Doutorado em Ensino de Matemática). Universidade Federal do Rio de Janeiro. Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática, Rio de Janeiro.

Quijano, A. (2000). Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: E. Lander (Ed.) La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales perspectivas latino-americanas. 1. Ed. Buenos Aires: CLACSO, 2000, cap. 9, p. 201-246.

Redes Sociais (2020). WhatsApp: veja as respostas para suas principais dúvidas. Disponível em: https://www.uol.com.br/tilt/faq/whatsapp-encontre-respostas-para-todas-as-suas-duvidas-sobre-o-app.htm#:~:text=O%20WhatsApp%20%C3%A9%20um%20aplicativo,celulares%2C%20como%20Android%20e%20iOS. Acesso em: 12 dez.2020.

Rosa, M. (2008). A Construção de Identidades Online por meio do Role Playing Game: relações com ensino e aprendizagem matemática em um curso à distância. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Universidade Estadual Paulista. Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Rio Claro.

Rosa, M. (2017). Insubordinação Criativa e a Cyberformação com Professores de Matemática: desvelando experiências estéticas por meio de Tecnologias de Realidade Aumentada, REnCiMa, São Paulo, v. 8, n. 4, p.157-173.

Scott, J. (1990). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 5-22.

Taques, R. C. V & Neumann, P. & Kataoka, A. M. (2020). Enfrentamentos sociopolíticos e diversidade: uma discussão entre Educação Ambiental Crítica e Teoria Queer. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient. Rio Grande, v. 37, n. 3, p.69-91.

Walsh, C. (2008). Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político- epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, p. 131-152.

Walsh, C. (2013). Lo pedagógico y ló decolonial: entretejiendo caminos. In: C. Walsh (Org.) Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. 1. ed. Quito: Abya Yala, p. 23-68.

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Sachet, B., & Rosa, M. (2021). A Concepção de Gênero por Meio de Memes em uma Aula de Matemática: uma análise sob as lentes da decolonialidade . Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 105-124. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2562

Edição

Seção

Dossiê "Educação Matemática e Decolonialidade"