Formação de Professores de Matemática: uma encruzilhada atravessada pela gramática do samba

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2559

Palavras-chave:

Formação de professores de matemática. Mate(gra)mática. Decolonialidade. Pedagogia das Encruzilhadas. Samba.

Resumo

Este ensaio discute os lugares da escola e da universidade em diferentes cenários da formação de professores de matemática, em um debate que é atravessado pela gramática do samba. Propomos o alargamento de gramáticas normativas com o intuito de abrir outros caminhos para a formação de professores de matemática, a partir de saberes, metodologias, práticas e linguagens subalternizadas pelos efeitos da colonialidade, reivindicados aqui como referências e não como objetos de pesquisa, alegorias ou metáforas. Como contragolpe aos desencantos do projeto colonial, operamos nos vazios deixados e apresentamos a noção de mate(gra)mática para expor e rasurar a matemática eurocêntrica, frequentemente apresentada como linguagem universal para explicar o mundo. Convidamos a formação de professores de matemática para uma encruzilhada (Rufino, 2019) marcada pelo cruzo entre escola, universidade e culturas populares, um lugar pluriversal de encontro que reúne diferentes travessias e não nega qualquer caminho enquanto possibilidade. Neste artigo, reivindicamos o samba como campo conceitual afro-diaspórico para atravessar a formação docente com a gramática de seus tambores (Simas, 2020) e (re)inventar o ensino de matemática. Propomos, ainda, o alargamento do presente para evocar presenças supraviventes de referências do samba brasileiro, cujo legado epistemológico, metodológico e poético é aqui legitimado como potência de vida para produzir encantamento no ensino de matemática.

Referências

Cardoso, L. (2010). Branquitude acrítica e crítica: A supremacia racial e o branco anti-racista. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 8(1), 607-630.

Dussel, E. (1992). 1492: El encubrimiento del otro. Hacia el origen del mito de la modernidad. Madrid, España: Nueva Utopía.

Fiorentini, D. (1995). Alguns modos de ver e conceber o ensino da matemática no Brasil. Zetetiké, 3(1), 1-37.

Fiorentini, D., & Oliveira, A. T. C. C. (2013). O lugar das matemáticas na Licenciatura em Matemática: que matemáticas e que práticas formativas?. Bolema: Boletim de Educação Matemática,27(47), 917-938.

Giraldo, V., Quintaneiro, W., Moustapha, B., Matos, D., Melo, L., Menezes, F., Dias, U., Costa Neto, C., Rangel, R., Cavalcante, A., Andrade, F., Mano, V., & Caetano, M. (2018). O laboratório de práticas matemáticas para o ensino. In A. M. P. Oliveira & M. I. R. Ortigão (orgs.), Abordagens teóricas e metodológicas nas pesquisas em educação matemática (pp. 186-209). Brasília: SBEM.

Giraldo, V. (2018). Formação de professores de matemática: para uma abordagem problematizada. Ciência & Cultura, 70, 37-42.

Giraldo, V. (2019). Que matemática para a formação de professores? Por uma matemática problematizada. Anais do XIII Encontro Nacional de Educação Matemática, Sociedade Brasileira de Educação Matemática.

Giraldo, V.,& Fernandes, F. S. (2020). Caravelas à Vista: Giros Decoloniais e Caminhos de Resistência na Formação de Professoras e Professores que Ensinam Matemática. Perspectivas da Educação Matemática, 12(30), 467-501.

Klein, F. (2004).Elementary Mathematics from an Advanced Standpoint: Arithmetic, Algebra, Analysis. USA: Dover.

Lander, E. (2000). Ciencias sociales: saberes coloniales y eurocéntricos. In: E. Lander (Ed.), La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales (pp. 11-40). Buenos Aires: CLACSO.

Lopes, N.,&Simas, L. A. (2019).Dicionário da História Social do Samba. Rio de Janeiro, Brasil: Civilização Brasileira.

Matos, D. (2019). Experiências com Matemática(s) na Escola e na Formação Inicial de Professores: Desvelando Tensões em Relações de Colonialidade. Tese de Doutorado em Ensino e História da Matemática e da Física. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Matos, D.,& Quintaneiro, W. (2020). Lugares de Resistência na Formação Inicial de Professores: Por Matemática(s) Decoloniais. Perspectivas da Educação Matemática, 12(30), 559-582.

Mbembe, A. (2018). Necropolítica. São Paulo, Brasil: N-1 Edições.

Moreira, P. C. (2012). 3+1 e suas (In)Variantes (Reflexões sobre as possibilidades de uma nova estrutura curricular na Licenciatura em Matemática). Bolema: Boletim de Educação Matemática, 26(44), 1137-1150.

Moreira, P. C.,& David, M. M. M. S. (2003). Matemática escolar, matemática científica, saber docente. Zetetiké, 11(1), 57-80.

Moreira, P. C.,& Ferreira, A. C. (2013). O lugar da matemática na licenciatura em matemática. Bolema: Boletim de Educação Matemática, 27 (47), 981-1005.

Nascimento, A. (1978).O Genocídio do Negro Brasileiro. Rio de Janeiro, Brasil: Paz eTerra.

Nóvoa, A. (2017). Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, 47 (166), 1106-1133.

Quijano, A. (2000). Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. Em: E. Lander (Edit.), La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales (pp. 201-246) Buenos Aires, Argentina: CLACSO.

Rufino, L. (2019). Pedagogias das encruzilhadas. Rio de Janeiro, Brasil: Mórula.

Santos, B. S. (2019). O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte, Brasil: Autêntica.

Shulman, L. S. (1986). Those who understand: Knowledge growth in teaching. Educational Researcher, 67, 4-14.

Simas, L. A. (2020).O corpo encantado das ruas. Rio de Janeiro, Brasil: Civilização Brasileira.

Simas, L. A., & Fabato, F. (2015). Pra tudo começar na quinta-feira: o enredo dos enredos.Rio de Janeiro, Brasil: Mórula.

Simas, L. A., & Rufino, L. (2018). Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro, Brasil: Mórula.

Simas, L. A. & Rufino, L. (2019). Flecha no tempo. Rio de Janeiro, Brasil: Mórula.

Walsh, C. (2008). Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político-epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rasa, (09), 131-152.

Walsh, C. (2017). ¿Interculturalidad y (de)colonialidad? Gritos, grietas y siembras desde Abya Yala. In: A. G. Diniz, D. A. Pereira, & L. K. Alves (Orgs.), Poéticas e políticas da linguagem em vias de descolonização(pp. 19-53). Foz Iguacu, Brasil: Universidad de Integración Latinoamericana.

Zeichner, K. (2010). Rethinking the connections between campus courses and field experiences in college- and university- based teacher education. Journal of Teacher Education, 61 (1–2), 89–99.

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Matos Pinto, D. ., Augusto Giraldo, V., & Quintaneiro da Silva, W. (2021). Formação de Professores de Matemática: uma encruzilhada atravessada pela gramática do samba. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 193-218. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2559

Edição

Seção

Dossiê "Educação Matemática e Decolonialidade"