Os Encontros Temáticos da Licenciatura em Matemática da UNIRIO como Espaço de (Auto)Formação de Formadores de Professores

Autores

  • Gladson Octaviano Antunes UNIRIO
  • Michel Cambrainha UNIRIO
  • Bruna Moustapha UNIRIO
  • Diego Matos UNIRIO

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i3.2552

Palavras-chave:

Formação de professores de matemática, Formação do formador, Educação online, Desenvolvimento profissional docente, Pandemia

Resumo

Diante dos desafios impostos pela pandemia de Covid-19, professores em atuação na educação básica e na universidade modificaram suas rotinas profissionais docentes. A necessidade de manutenção das atividades de forma remota impulsionou a busca por tecnologias digitais para o ensino, situando-as no centro do debate. Neste artigo, relatamos uma experiência realizada com professores que atuam no curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), a partir de encontros temáticos, ocorridos virtualmente, cujos objetivos iniciais pretendiam discutir iniciativas que, embora em caráter emergencial, se aproximassem dos princípios da educação online. As reuniões (gravadas em vídeo) extrapolaram seus objetivos iniciais e se configuraram como espaços colaborativos de formação e de desenvolvimento profissional de formadores de professores de matemática. Entendemos que uma importante contribuição do relato dessa experiência está em situar o formador no cerne do debate sobre a formação de professores de matemática, problematizando a escassez de ambientes formativos que possibilitem o compartilhamento de práticas docentes, a exposição de dificuldades vivenciadas pelos formadores em sua atuação profissional e discussões sobre os saberes docentes necessários ao ensino de matemática na educação básica. Além disso, ao relatar os desafios enfrentados e as soluções que emergiram do cenário emergencial que vivenciamos, buscamos ir além das ideias presentes na literatura sobre formação de professores para o contexto da formação do formador.

Referências

Ball, D. L., Thames, M. H., & Phelps, G. (2008). Content knowledge for teaching: What makes it special. Journal of teacher education, 59(5), 389-407.

Belo, E. S. V., & Gonçalves, T. O. (2012). Identidade Profissional do Professor Formador de Professores de Matemática. Educação Matemática Pesquisa, 14(2), 299-315.

Borba, M. D. C., & Lacerda, H. D. G. (2015). Políticas Públicas e Tecnologias Digitais: um celular por aluno. Educação Matemática Pesquisa, 17(3), 490-507.

Brasil. (2015) Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, n. 124, p. 8-12, 02 de julho de 2015.

Cochran-Smith, M., & Lytle, S. L. (1999). Chapter 8: Relationships of knowledge and practice: Teacher learning in communities. Review of Research in Education, 24(1), 249-305.

Coura, F. C. F., & Passos, C. L. B. (2017). Estado do conhecimento sobre o formador de professores de Matemática no Brasil. Zetetiké, 25(1), 7-26.

Davis, B., & Simmt, E. (2006). Mathematics-for-teaching: An ongoing investigation of the mathematics that teachers (need to) know. Educational Studies in Mathematics, 61(3), 293-319.

Fiorentini, D., & Oliveira, A. T. D. C. C. D. (2013). O lugar das matemáticas na Licenciatura em Matemática: que matemáticas e que práticas formativas?. Bolema: Boletim de Educação Matemática, 27(47), 917-938.

Gatti, B. A., & Nunes, M. N. R. (2013). Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. Textos FCC, 29, 155.

Giraldo, V., Quintaneiro, W., Moustapha, B., Matos, D., Melo, L., Menezes, F., ... & Andrade, F. (2018). Laboratório de práticas matemáticas para o ensino. Abordagens Teóricas e Metodológicas na Pesquisa em Educação Matemática. Brasília: SBEM, 186-209.

Gonçalves, T. O., & Fiorentini, D. (2005). Formação e desenvolvimento profissional de docentes que formam matematicamente futuros professores. In D. Fiorentini, & A. M. Nacarato (Orgs), Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam Matemática: investigando e teorizando a partir da prática. (pp. 68-88). São Paulo: Musa editora.

Goodwin, A. L., Smith, L., Souto-Manning, M., Cheruvu, R., Tan, M. Y., Reed, R., & Taveras, L. (2014). What should teacher educators know and be able to do? Perspectives from practicing teacher educators. Journal of Teacher Education, 65(4), 284-302.

Mishra, P., & Koehler, M. J. (2006). Technological pedagogical content knowledge: A framework for teacher knowledge. Teachers College Record, 108(6), 1017-1054.

Moreira, P. C., Ferreira, E. B., Jordane, A., Nóbriga, J. C. C., Fischer, M. C. B., Silveira, E., & Borba, M. D. C. (2012). Quem quer ser professor de matemática?. Zetetiké, 20, 11-36.

Moreira, P. C., & Ferreira, A. C. (2013). O lugar da matemática na licenciatura em matemática. Bolema: Boletim de Educação Matemática, 27(47), 981-1005.

Nóvoa, A. (2009). Para uma formação de professores construída dentro da profissão. In Professores: imagens do futuro presente. (pp.25-45). Lisboa: Educa.

Oliveira, H. M., & Cyrino, M. C. D. C. T. (2011). A formação inicial de professores de Matemática em Portugal e no Brasil: narrativas de vulnerabilidade e agência. Interacções, 7(18).

Pimentel, M., & Carvalho, F. D. S. P. (2020). Princípios da Educação Online: para sua aula não ficar massiva nem maçante. SBC Horizontes, maio.

Santos, B. S. (2020). A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Almedina.

Santos, E. (2009). Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura. Anais do Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia (pp. 5658-5671.). Braga: Universidade do Minho.

Santos, E. (2020). Educação a Distância: Universidade e Pandemia. Mediação: Geovana Lunardi. ANPED, 15 abr. 2020. 1 vídeo (58min). Live. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=PWmuNdt7dAc. Acesso em 21 ago. 2020.

Santos, R. (2015). Formação de Formadores e Educação Superior na cibercultura: itinerâncias de Grupos de Pesquisa no Facebook. Tese de Doutorado em Educação. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Shulman, L. S. (1986). Those who understand: Knowledge growth in teaching. Educational Researcher, 15(2), 4-14.

Silva, M. D. C. V., Aguiar, M. D. C. C., & Monteiro, I. A. (2014). Identidade profissional docente: interfaces de um processo em (re) construção. Perspectiva, 32(2), 735-758.

Tardif, M. (2000). Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, 13(5), 5-24.

Publicado

2021-08-02

Como Citar

Octaviano Antunes, G., Cambrainha de Paula, M., Moustapha-Corrêa , B., & Matos, D. (2021). Os Encontros Temáticos da Licenciatura em Matemática da UNIRIO como Espaço de (Auto)Formação de Formadores de Professores. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(3), 57-75. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i3.2552

Edição

Seção

Dossiê "Educação Matemática em Tempos de Crise"