[E]etnomatemáticaS: uma discussão acerca do nomadismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2551

Palavras-chave:

Decolonialidade, Matemática, Ciência Nômade, Multiplicidade, Deleuze

Resumo

Das inquietações a respeito dos essencialismos pressupostos pela pergunta “o que é Etnomatemática?” surge uma pesquisa que propõe discutir os limites de uma área e sua relação com dois conceitos da filosofia de Gilles Deleuze e Félix Guattari: ciência nômade e ciência régia. Para isso, deslocamos a pergunta “o que é” para “o que pode”, atravessando seis investigações dos anos de 2017 a 2020, a fim de descrever traços de possibilidades para etnomatemáticaS múltiplas, decoloniais e não disciplinares, produzidas pelos afetos, desejos, acontecimentos, temporalidades e territórios de cada pesquisa-experiência. Dispondo a desterritorialização de um espaço constantemente fronteiriço, busca-se destacar algumas investigações que escapam para uma região nômade, para pensar as etnomatemáticaS não como algo fixo e pré-estabelecido, mas como um movimento de invenção e produção de sentidos.

Referências

Alvarez, J. & Passos, E. (2009) Cartografar é habitar um território existencial. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina.

Barton, B., &Alangui, W. (2002). Ethnomathematics and indigenous people’s education. In Anais do II Congresso Internacional de Etnomatemática (pp. 1-12).

Barton, B. (2006). Dando sentido à etnomatemática: etnomatemática fazendo sentido. In Ribeiro, J. P. M.; Domite, M. D. C. S.; Ferreira, R. (Orgs). Etnomatemática: papel, valor e significado. 2. Ed. Porto Alegre, RS: Zouk.

Clareto, S. M. (2003). Terceiras margens: um estudo etnomatemático de espacialidades em Laranjal do Jari (Amapá). Tese de Doutorado – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, Brasil. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/102153>. Acesso em: mar. 2020.

Clareto, S.M. (2009).Conhecimento, inventividade e experiencia: potencias do pensamento etnomatemático. In Fantinato, M. C. D. C. B. Etnomatemática – novos desafios teóricos e pedagógicos (pp. 125-134). Editoria da Universidade Federal Fluminense: Niterói.

Clareto, S.M. (2013). Matemática como acontecimento na sala de aula. In Reunião Nacional da ANPED, XXXVI (pp. 1-15). Goiânia. Disponível em: <http://36reuniao.anped.org.br/pdfs_trabalhos_aprovados/gt19_trabalhos_pdfs/gt19_3248_texto.pdf>. Acesso em: mar. 2020.

Clareto, S. M.& Miarka, R. (2015). eDucAçÃo MAteMátiCA AefeTIvA: nomes e movimentos em avessos. Boletim de Educação Matemática, 29(53), 794-808.

Clareto, S. M.& Miarka, R. (2020). Etnomatemática em Cenas: nas sulinas fronteiras de uma américa, de que" matemáticas" somos capazes?. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 13(3).

Correa, C. N. & Xakriabá, C. (2018). O barro, o genipapo e o giz no fazer epistemológico de autoria Xakriabá: reativação da memória por uma educação territorializada. Dissertação de Mestrado – Universidade de Brasília, Brasília, Brasil. Disponível em:< http://repositorio.unb.br/handle/10482/34103>. Acesso em: Ago. 2020.

D'Ambrosio, U. (2001). Etnomatemática-elo entre as tradições e a modernidade. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

D’Ambrosio, U. (2005). Armadilha da mesmice em educação matemática. Boletim de Educaçåo Matemática, BOLEMA, 18(24), 95-110.

D’Ambrosio, U. (2018). Etnomatemática, justiça social e sustentabilidade. Estudos Avançados, 32(94), 189-204.

Da Escóssia, L. & Tedesco, S. (2015) O coletivo de forças como plano de experiência cartográfica. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina.

Deleuze, G. & Guattari, F. (1977). Kafka: por uma literatura menor. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

Deleuze, G. & Guattari, F. (1997). Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 5. São Paulo: Editora 34.

Domite, M.D.C.S. (2002). Etnomatemática e sua teoria: teoria da Etnomatemática?.In Congresso Internacional de Etnomatemática (Vol. 2), Ouro Preto.

Dore, L.E. (2018) Que diz o muro da escola? Aprendizagens e deslizamentos e matemática. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Brasil. Disponível em:<https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/9330>. Acesso em: set. 2020.

Escóssia, L.D.& Kastrup, V. (2005). O conceito de coletivo como superação da dicotomia indivíduo-sociedade. Psicologia em Estudo: Maringá, 10(2), 295-304.

Foucault, M. (1996). O anti-Édipo: uma introdução à vida não Fascista. In: Cadernos de subjetividade. São Paulo: PUC-SP. Jun.

Gallo, S. (2003). Deleuze e a Educação. Belo Horizonte: Autêntica.

Gerdes, P. (2000) A Investigação Etnomatemática como estímulo para a pesquisa matemática. In: Congresso Brasileiro de Etnomatemática, I. São Paulo.

Gerdes, P. (2007) Etnomatemática: reflexões sobre Matemática e Diversidade Cultural. Ribeirão: Edições Húmus.

Gerdes, P. (2010). Da etnomatemática a arte-design e matrizes cíclicas. Belo Horizonte: autêntica.

Gerdes, P. (2012). Incorporar idéias matemáticas provenientes da África na educação matemática no Brasil. QUIPU: Revista Latinoamericana de Historia de las Ciencias y la Tecnología, 14(1), 93-108.

Gondim, D.D.M. (2018). Ribeiras de vales:... e experimentações e grafias e espaços e quilombolas e... Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, Brasil. Disponível em:< https://repositorio.unesp.br/handle/11449/152579>. Acesso em: mar. 2020.

Gondim, D.D.M.& Miarka, R. (2018). Pensar com corpo como pensar como espaço: aforismos imagéticos que afirmam um aprender por trilhas. Educação Matemática em Revista, Brasília, 23 (60), 169-183.

Kastrup, V. (2019). A atenção cartográfica e o gosto pelos problemas. Em Rev. Polis e Psique; 20 ANOS DO PPGPSI/UFRGS, 2019: 99 - 106

Knijnik, G. (1993). O saber acadêmico e o saber popular na luta pela terra. Educação Matemática em Revista, Blumenau, 1, 5-11.

Knijnik, G. (2004a). O que os movimentos sociais têm a dizer à Educação Matemática. Encontro Nacional de Educação Matemática, VIII (pp. 1-9). Pernambuco. Disponível em:<http://www.sbem.com.br/files/viii/pdf/15/PA06.pdf>. Acesso em: set de 2020.

Knijnik, G. (2004b). Itinerários da Etnomatemática: questões e desafios sobre o cultural, o social e o político na educação matemática. In Knijnik, G. et all. Etnomatemática: currículo e formação de professores (pp. 19-38). Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Knijnik, G. (2009) Pesquisa em Etnomatemática: apontamentos sobre o tema. In Fantinato, M. C. D. C. B. Etnomatemática – novos desafios teóricos e pedagógicos (pp. 135-142). Editoria da Universidade Federal Fluminense: Niterói.

Lizcano, E. (2006) Metáforas que nos piensan: sobre ciencia, democracia y otras poderosas ficciones. Madrid: Traficantes de Sueños.

Mignolo, W. (2007). El Pensamiento Decolonial: Desprendimiento y apertura un manifesto. In Castro-Gómez, S.; Grosfoguel, R. El giro decolonial: refl exiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontifi cia Universidad Javeriana, Instituto Pensar.

Monteiro, A.& Mendes, J. R. (2019). Saberes em práticas culturais: condutas e contracondutas no campo da Matemática e da Educação Matemática. Horizontes, 37. Disponível em: <https://revistahorizontes.usf.edu.br/horizontes/article/view/763>. Acesso em: mar. 2020.

Monteiro, A.& Mendes, J. R. (2015). Etnomatemática como movimento de contraconduta na mobilização de saberes em práticas culturais. GT História da Matemática e Cultura. VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, Goiás.

Oliveira, M.A.M. (2020). Nhande reko mbo’e: busca de diálogos entre diferentes sistemas de conhecimentos no contexto das práticas de professores de matemática Guarani e Kaiowá. Tese de Doutorado – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Disponível em: <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-02102020-143153/publico/9261721_MARIA_APARECIDA_MENDES_DE_OLIVEIRA_rev.pdf>. Acesso em: jan. de 2021.

Orjuela-Bernal, J. I. (2018). Indígenas, cosmovisão e ensino superior: [algumas] tensões. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, Brasil. Disponível em: <https://repositorio.unesp.br/handle/11449/154217>. Acesso em: mar. 2020.

Orjuela-Bernal, J. I.& Miarka, R. (2018). Caminhando entre a [E]educação [I]indígena, a [E]educação [M]matemática e a [E]etnomatemática. Zetetike, 26(1), 41–58.

Parra, A. (2020). Algunos lugares comunes en las investigaciones etnomatemáticas. Apresentada em Ciclo de conferencias del programa de Licenciatura en Matemáticas de la Universidad de los Llanos, Colômbia.

Santos, B.D.S.(1995). Pela Mão de Alice. São Paulo: Cortez Editora.

Scandiuzzi, P.P. (2002). Água e óleo: Modelagem e Etnomatemática? Boletim de Educação Matemática, BOLEMA, Rio Claro, 15(17), 52-58.

Schopke, R. (2004). Por uma filosofia da diferença: Gilles Deleuze, o pensador nômade. Edusp.

Tadeu, T. (2002). A arte do encontro e da composição: Spinoza+ Currículo+ Deleuze. Educação & Realidade, 27(2), 47-57.

Tamayo, C. O. (2017). Vení, vamos hamacar el mundo, hasta que te asustes= uma terapia do desejo de escolarização moderna= Venha, vamos balançar o mundo, até que você se assuste: uma terapia do desejo de escolarização moderna. Tese de Doutorado – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil. Disponível em:<http://repositorio.unicamp.br/ handle/REPOSIP/325354>. Acesso em: mar. 2020.

Tótora, S. (2004). Devires minoritários: um incômodo. Verve, 6, 229-246. Disponível em: <https://ken.pucsp.br/verve/article/viewFile/5012/3554>. Acesso em: mar. 2020.

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Paulucci, E. M., & Tamayo-Osorio, C. . (2021). [E]etnomatemáticaS: uma discussão acerca do nomadismo . Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 125-152. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2551

Edição

Seção

Dossiê "Educação Matemática e Decolonialidade"

##plugins.generic.recommendBySimilarity.heading##

##plugins.generic.recommendBySimilarity.advancedSearchIntro##