Analfabetismos, pesquisa e educação (matemática): uma escola que opera fora dos muros da escola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2547

Palavras-chave:

Escola. Decolonialidade. Analfabetismo. Pesquisa. Narrativas.

Resumo

Este artigo sinaliza para discussões decorrentes de uma pesquisa de mestrado em Educação Matemática que se estruturou para além da problematização das estratégias matemáticas cotidianas de adultos analfabetos, por meio da busca por falar com os entrevistados, dando vazão a questões outras que marcam o papel da escola e de um discurso escolar-educacional na constituição narrativa desses sujeitos. Nessa direção, este texto alinhava estudos sobre decolonialidade com uma postura investigativa atravessada por narrativas potentes sobre como um corpo posicionado no fora-escola traz ranhuras profundas que (de)limitam modos de vida. Práticas de exclusão, abandono, abuso de poder, autojulgamento por meio de uma referência externa àquele modo de vida e construção de si pela falta são alguns dos fatores que compõe as construções narrativas aqui mobilizadas. Este texto opera, ainda, um processo de constituição de um corpo-pesquisador que tenta se sensibilizar para o que acontece durante um processo investigativo e que resiste a um movimento acadêmico que força uma tentativa de colonizar a decolonialidade.

Referências

Couto, M. (2011). E se Obama fosse africano? São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Freire, M. (2005). Contos Negreiros. Record.

Giraldo, V., &Fernandes, F. S. (2019). Caravelas à Vista: Giros Decoloniais e Caminhos de Resistência na Formação de Professoras e Professores que Ensinam Matemática.Perspectivas da Educação Matemática, 12(30), 467-501. https://periodicos.ufms.br/index.php/pedmat/article/view/9620

Grosfoguel, R. (2009). Para descolonizar os estudos de economía política e os estudospós-coloniais: transmodernidade, pensamento de frontera e colonialidade global. In B. S. Santos&M. P. Meneses. (Orgs.).Epistemologias do Sul (pp. 383-417). Coimbra: Edições Almedina SA.

Lugones, M. (2008). Colonialidad y Género.Tábula Rasa, 9, 73-101. https://www.revistatabularasa.org/numero-9/05lugones.pdf

Mignolo, W. (2017). Desafios decoloniais hoje.Epistemologias do Sul, 1(1), 12-32. https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/772

Oliveira, R. P. (2016). Performances da escrita na narrativa contemporânea: a voz do outro em “Totonha”, de Marcelino Freire.Letras de Hoje, 51(4), 475-481. https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/23787/15195

Ribetto, A., &Dias, R. O. (2020). Micropolítica e uma aposta ética, estética e política de formar professores pela invenção.Revista Educação e Cultura Contemporânea, 17(47), 209-229. http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/view/4700/47966546

Santos, B. S. (2009). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In B. S. Santos&M. P. Meneses (Orgs.). Epistemologias do Sul (pp. 23-71). Coimbra: Edições Almedina SA.

Santos, B. S. (2019). O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologías do Sul.Autêntica Editora.

Soares, E. L. (2019) Educação (,) matemática e outras banalidades fundamentais da vida: diálogos a partir dos analfabetismos nossos de cada dia. [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul]. Campo Grande.

Spivak, G. C. (2010) Pode o subalterno falar? Editora UFMG.

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Leal Soares, E., & Souza, L. A. de . (2021). Analfabetismos, pesquisa e educação (matemática): uma escola que opera fora dos muros da escola. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 250-264. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2547

Edição

Seção

Dossiê "Educação Matemática e Decolonialidade"