Racismo na educação

uma análise das representações da população negra nos livros didáticos de Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2520

Palavras-chave:

Livro Didático, Afroetnomatemática, Racismo, Educação Matemática, PNLD

Resumo

Embora as leis 10.639/03 e 11.645/08, as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica apresentem esforços para combater o racismo na escola, a população negra ainda sofre com suas representações em livros didáticos, em especial, de Matemática. Este artigo apresenta uma análise crítica das representações dessa população em 10 livros didáticos de Matemática, oferecidos no Plano Nacional do Livro didático às escolas públicas de São Paulo a serem trabalhados no Ensino Fundamental II e Ensino Médio, de 2017 a 2019. Os livros apresentaram imagens negativas ao discorrer sopre a população negra, além de não destacar em textos ou imagens as suas contribuições à Matemática. Desse modo, vislumbra-se a importância da reflexão acerca do tema, no âmbito social e educacional, para ocasionarações as quais fortaleçam o combate ao racismo e o preconceito, especialmente, nas escolas.

Referências

André, C. F., Costa, J., & Santos, R. C. (2017). A Afro-Etnomatemática como fomentadora de transformação social. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/As (ABPN), 9(22), 09-28. Recuperado em 17/05/2020 de http://abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/393

Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN) (2017). Por uma produção de ciência negra: experiências nos currículos de química, física, matemática, biologia e tecnologias. Revista da ABPN, 9(22), pp. 03-08.

Balestri, R. (2016). Matemática 1 Interação e Tecnologia. São Paulo: LEYA.

Balestri, R. (2016). Matemática 1 Interação e Tecnologia. São Paulo: LEYA.

Balestri, R. (2016). Matemática 1 Interação e Tecnologia. São Paulo: LEYA.

Carneiro, A. S. (2005). A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Chavante, E. R. (2015). Convergências: matemática, 6º ano - anos finais, ensino fundamental. (1ª ed.). São Paulo: Edições SM.

Chavante, E. R. (2015). Convergências: matemática, 7º ano - anos finais, ensino fundamental. (1ª ed.). São Paulo: Edições SM. Chavante, E. R. (2015). Convergências: matemática, 8º ano - anos finais, ensino fundamental. (1ª ed.). São Paulo: Edições SM.

Chavante, E. R. (2015). Convergências: matemática, 9º ano - anos finais, ensino fundamental. (1ª ed.). São Paulo: Edições SM.

Cunha, H., Jr. (2004). Afroetnomatematica, África e Afrodescendência. Temas em Educação, 13, pp. 83-95.

D’ambrosio, U. (2013). Educação Matemática: Da teoria à prática. (23ª ed). Campinas: Papirus.

Eglash, R. (1999). African Fractals: Modern Computing and Indigenous Design. New Brunswick. Fanon, F. (1979). Os Condenados da Terra. (2º ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p.188.

Peixoto, J. P., Fº. Martins, T. A. (2009). A etnomatemática e o multiculturalismo no ensino da matemática. São Paulo. Educação Matemática e Pesquisa, 2. pp. 393-409.

Forde, G. H. A. (2008). A presença africana no ensino de matemática: análise dialogadas entre história, etnocentrismo e educação. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória-Brasil.

Freire, P. (1987). Pedagogia do Oprimido. (17°ed.) Rio de Janeiro: Paz e Terra, pp. 16-29.

Gerdes, P. (2012). Etnomatemática. Cultura, Matemática, Educação. Colectânea de Textos (1979-1991), Moçambique: Lulu.

Gerdes, P. (2014). Geometria Sona de Angola: Vol. 2 Explorações educacionais e matemáticas de desenhos africanos na areia. Moçambique: ISTEG.

Gomes, N. L. (2003a). Cultura negra e educação. Revista Brasileira de Educação, maio-agosto, 23, pp. 76-77.

Gomes, N. L. (2003b). Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. São Paulo. Educação e Pesquisa, 29(1), pp. 167-182.

Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2016). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: Coordenação de População e Indicadores Sociais

Machado, C. D. (2014). Ciência, Tecnologia e inovação africana e afrodescendente. Brasil: DBA.

Machado, C. D. Loras, A. B. (2017). Gênios da Humanidade: Ciência, Tecnologia e Inovação Africana e Afrodescendente. Brasil: DBA

Museu Afro Brasil. (2013). Arte, adorno, design e tecnologia no tempo da escravidão. Curador Emanoel Araújo. São Paulo: Museu Afro Brasil.

Pais, L. C. (2018). Didática da Matemática: uma análise da influência francesa. (3ª ed.). Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Pereira, R. P.; Cunha., Jr. H. A. (2011). O Jogo Africano Mancala e o Ensino de Matemática em face da Lei n 10.639/03. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza-Brasil.

Silva, J. C. G. Araujo, M. (2017). Cultura afro-brasileira: temas fundamentais em ensino, pesquisa e extensão. São Paulo: Alameda.

Schucman L. V. (2012). Entre o "encardido", o "branco" e o "branquíssimo": raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. (Tese de doutorado). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Souza, J. R. (2010). Coleção Novo Olhar: Ensino Médio Matemática 1, São Paulo: FTD.

Souza, J. R. (2010). Coleção Novo Olhar: Ensino Médio Matemática 2, São Paulo: FTD.

Souza, J. R. (2010). Coleção Novo Olhar: Ensino Médio Matemática 3, São Paulo: FTD.

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Ferreira dos Santos, D. ., Silva Filho, J. C., & Andre, C. F. (2021). Racismo na educação: uma análise das representações da população negra nos livros didáticos de Matemática. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 30-43. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2520

Edição

Seção

Dossiê "Educação Matemática e Decolonialidade"