O Racismo Contemporâneo em Projetos Pedagógicos de Cursos de Licenciatura em Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2519

Palavras-chave:

Racismo, Educação Matemática, Ensino de Matemática, Projetos Políticos Pedagógicos, Formação de Professores

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar de modo crítico os Projetos Políticos Pedagógicos (PPP) dos cursos de Licenciatura em Matemática do Estado de São Paulo ao que se refere o número de disciplinas relacionadas à aplicação das Leis 10639/03 e 11645/08 como também a presença de disciplinas com estudos voltados para os temas Etnomatemática, Decolonialidade, Cultura e Diversidade. Convém, por oportuno, salientar que tanto o racismo quanto os PPP são processos políticos e, sendo assim, a formação do/da docente carece do desaprendizado de condutas excludentes. A guisa de exemplo, foi utilizado como trajetória metodológica a abordagem de pesquisa documental de natureza qualitativa. Em síntese, apesar de 17 dos 23 PPP indicarem uma relação de disciplinas nas quais são abordadas temáticas referentes à legislação e temas mencionados, é recorrente uma única disciplina por curso para discutir sobre as temáticas. É imperioso destacar a necessidade de inclusão nas ementas e grades curriculares a fim de colaborar na formação de educadores, efetivamente, de modo a corroborar com a redução do racismo, preconceitos e práticas discriminatórias.

Referências

Almeida, S. (2019). Racismo Estrutural. Feminismos Plurais, Pólen, p.63.

Andre, C. F., Costa, J. & Santos, R. C. (2017). A afro-etnomatemática como fomentadora de transformação social. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN) (p. 09-28), [S.l.], 9(22). De: https://abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/393. Acesso em: 27 agosto de 2020.

Brasil. (2012). Parecer CNE/CP nº 8/2012. Conselho Nacional de Educação (CNE). Diretrizes nacionais para a educação em Direitos Humanos. Diário Oficial da União, Brasília.

Brasil. (2008). Lei 11645/08.Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 2008. De: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 30 agosto de 2020.

Brasil. (2004). Parecer CNE/CP nº 1/2004. Conselho Nacional de Educação (CNE). Diretrizes nacionais para a educação em Direitos Humanos. Diário Oficial da União, Brasília.

Brasil. (2004). Parecer CNE/CP nº 3/2004. Conselho Nacional de Educação (CNE). Diretrizes nacionais para a educação em Direitos Humanos. Diário Oficial da União, Brasília.

Brasil.(2003). Lei 10639/03. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 2003. De: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acessoem: 30 agostode 2020.

Carmichael, S. E. & Hamilton, C. (1967). Black power: the politics of liberation in America.New York: Vintage.

Carvalho, G. & Rosevics, L. (Orgs.). (2017). Diálogos Internacionais: reflexões críticas do mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: PerSe.

Carvalho, M. R. & Carvalho, A. M. (Orgs.).(2012). Índios e caboclos: a história recontada. Salvador: EDUFBA.

Carvalho, M. (2004). Quem são os meninos que fracassam na escola? Cadernos de Pesquisa, (p. 11-40), 34(121), São Paulo: FCC..

Casavechia, C. (2015). A importância da discussão do projeto político pedagógico no curso de formação de docentes. Paraná: Cadernos PDE.

Conferência Mundial contra Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata. (2001). Durban. De: http://www.unfpa.org.br/Arquivos/declaracao_durban.pdf. Acesso em 28 de setembro de 2020.

Costa, W. G. & Silva, V. (2010). A desconstrução das narrativas e a reconstrução do currículo: a inclusão dos saberes matemáticos dos negros e dos índios brasileiros. Educar em Revista, (p. 245-260), Curitiba.

Cunha Junior, H. C. (2017). Afroetnomatemática: da filosofia africana ao ensino de matemática pela arte. Revista Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), (p. 107-122), 9(22).

Cunha Junior, H. C. (2005) .Afroetnomatemática, África e Afrodescendência. In: D’Ambrosio, Ubiratan. EtnoMatemática – elo entre as tradições e a modernidade. 2a ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Cunha, L. (2015). Contribuição dos povos africanos para o conhecimento científico e tecnológico universal. De: http://smec.salvador.ba.gov.br/documentos/contribuicao-povos-africanos.pdf. Acesso em 11 de outubro de 2020.

D’Ambrosio, U. (2012). Educação Matemática: da teoria à prática. Coleção Perspectivas em Educação Matemática, 23. Campinas: Papirus.

D’Ambrosio, U. (2007). Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2. Belo Horizonte: Autêntica.

D’Ambrosio, U. (1993). Etnomatemática: um programa. In: Educação Matemática em Revista (p. 5-11). São Paulo: SBEM.

Davis, A. (2016). Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo.

Fonseca, M. V. & Barros, S. A. P. (Orgs.). (2016). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF.

Fundação Carlos Chagas (2017). Prêmio Rubens Murillo Marques 2017: Experiências docentes em licenciaturas / Fundação Carlos Chagas. – São Paulo: FCC.

Gerdes, P. (2010). Da etnomatemática a arte-design e matrizes cíclicas. Belo Horizonte: Autêntica.

Gerdes, P. (1989). Sobre o conceito de Etnomatemática. Estudos Matemáticos, Maputo: ISP/KMU.

Gomes, N. L. & Jesus, R. E. (2013). As práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais na escola na perspectiva de Lei 10.639/2003: desafios para a política educacional e indagações para a pesquisa. Educar em Revista, p. 19-33 (47).

Gomes, N. L. (2012). Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos.(p. 98-109), 12(1), Brasil: Currículo sem Fronteiras.

Gomes, N. L. (2002). Educação e identidade negra. Aletria: revista de estudos de literatura, (p. 38-47), 9, Belo Horizonte.

Gomes, N. L. (1996). Educação, raça e gênero: relações imersas na alteridade. (6/7), p. 67-82, Campinas: Cadernos Pagu.

Guedes, J. V., Silva, A. M. F. & Garcia, L. T. S. (2017). Projeto político-pedagógico na perspectiva da educação em direitos humanos:um ensaio teórico. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, (p.580-595), 98(250), Brasília .

Helvig, C. H. (2015). O projeto político pedagógico como elemento integrador da formação continuada de professores da educação básica. Anais.XII Congresso Nacional de Educação. Curitiba: Educere.

Hora Filho, E. A. & Nascimento, I. K. M. (2014). Vencendo o racismo no chão da escola. 3(2), João Pessoa: Cadernos Imbondeiro.

INEP. (2017). Censo da Educação Superior. De: http://portal.inep.gov.br/censo-da-educacao-superior. Acesso em 28 de setembro de 2020.

Knijnik, G. (2006)Educação matemática, culturas e conhecimentos na luta pela terra. Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Lakatos, E. M. & Marconi, M. A. (2003). Fundamentos de metodologia científica. (p. 174), 5, São Paulo: Atlas.

Moura, C. (1976). O preconceito de cor na literatura de cordel: tentativa de análise sociológica. Editora Resenha Universitária.

Munanga, K. (2019). Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra.Belo Horizonte: AutênticaEditora.

OCDE (2018).Opportunities for All: The Framework for Policy Action on Inclusive Growth. Organisation for Economic Co-operation and Development, OECD Publishing, Paris, 2018.Disponível em: http://www.oecd.org/economy/opportunities-for-all-9789264301665-en.htm. Acesso em 28 setembro 2020.

Pereira, E. A. (2007). Malungos na escola: questões sobre culturas afrodescendentes e educação. Paulinas.

Pereira, K. R. & Miclos, P. V. (2013)Pesquisa quantitativa e qualitativa: a integração do conhecimento científico. (p. 16-18), (4), 1. Florianópolis: Saúde &Transformação.Platão (2006). A república de Platão. São Paulo: Perspectiva.

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLACSO. De: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdfAcesso em 26 de agosto de 2020.

Rocha, L. S. & Silva, E. S. (2018).Literaturas africanas e afro-brasileira na base nacional curricular.Seminário FESPSP. De: https://fespsp.wixsite.com/anais/gt3-18. Acessado em 29 de junho de 2020.

Rosemberg, F. & Madsen, N. (2011). Educação formal, mulheres e gênero no Brasil contemporâneo. In Barsted, L. L.; Pitanguy, J. O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010 / (p. 390-424). Rio de Janeiro: CEPIA.

Sales Junior, R. (2011). Racismo Institucional. Trabalho preliminar apresentado ao Projeto Mais Direitos e Mais Poder para as Mulheres Brasileiras. Geledés–Instituto da Mulher Negra. São Paulo: Trama Design.

Santos, M. F. & Souza, M. M. (2018). Pedagogia ou Pretagogia? Movimentos de sentidos no discurso pedagógico em um curso de licenciatura em Matemática. Revista Espaço Acadêmico, p. 16-28, 18(207).

Silva, J. M. & Bazante, T. M. G. D. (2019). Projeto político pedagógico e a formação de professores/as de matemática: projeções ideológicas para uma identidade docente. Revista Docência Ensino Superior, (9), Belo Horizonte.

Silva, J. C. G. & Araujo, M. A. F. (2017). Cultura afro-brasileira: temas fundamentais em ensino. Pesquisa e extensão, Montes Claros.

Silva, V. L. (2014). Africanidade, matemática e resistência. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Soares, F. F., Rocha, F. R. L. & Martins, W. C. L. (2019). Práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais na escola na perspectiva da Lei nº 10.639/03. Revista em Favor de Igualdade Racial, p. 124-137, 2(2).

Souza, F. F. & Mortari, C. (Orgs.). (2016). Histórias africanas e afro-brasileiras: ensino, questões e perspectivas. Tubarão, SC: Copiart; Erechim, Rio Grande do Sul: UFFS.

Souza, M. (2018). 2,2% dos professores da USP se autodeclaram pretos ou pardos. Jornal da USP, 2018. De: https://jornal.usp.br/universidade/professores-da-usp-se-autodeclaram-pretos-ou-pardos. Acesso em 28 de setembro de 2020.

Veiga, I. P. (1998). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção coletiva. In: Veiga, Ilma Passos da (org.). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível, (p.11-35), Campinas: Papirus.

Veiga, I. P. (2006). Perspectivas para reflexão em torno do projeto político pedagógico. In: I. P. A. Veiga (Org.). Escola: espaço do projeto político pedagógico. (p. 8-32), 10, Campinas: Papirus.

Von Rueden, U. et al. (2006). Socioeconomic determinants of health related quality of life in childhood and adolescence: results from a European study. Journal of Epidemiology & Community Health, p. 130-135, 60(2), London.

Werneck, J. et al. (2013). Racismo institucional: uma abordagem conceitual. Geledés–Instituto da Mulher Negra. São Paulo: Trama Design.

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Ferreira dos Santos, D. ., Silva Filho, J. C., & Andre, C. F. (2021). O Racismo Contemporâneo em Projetos Pedagógicos de Cursos de Licenciatura em Matemática . Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 283-300. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2519

Edição

Seção

Dossiê "Educação Matemática e Decolonialidade"