Da comunidade LGBT+ para as aulas de matemática: que interlocuções são possíveis?

Autores

  • Denner Dias Barros Unesp - Rio Claro

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2475

Palavras-chave:

Diversidade, Comunidade LGBT , A luta é pedagógica, Leitura e Escrita de Mundo com a Matemática, Educação Matemática Crítica

Resumo

As aulas de matemática têm potência para promover discussões sociais e contribuir para que os estudantes desenvolvam uma visão crítica de mundo. Entretanto, algumas temáticas ainda têm tido pouco espaço, mesmo nas práticas de professores que objetivam trabalhar em uma perspectiva inclusiva e com reflexões sobre justiça social. Neste artigo pretende-se refletir sobre como o movimento LGBT+ pode contribuir para que as lutas, histórias e particularidades desta comunidade estejam mais presentes na escola. O engajamento de professores de matemática na construção de uma relação sociopolítica com os estudantes se mostra necessária para que estes se formem cidadãos críticos que respeitem e valorizem as diferenças.

Referências

Adichie, C. N. (2019).O perigo de uma história única. 1 ed. São Paulo: Companhia das letras.

Barros, D. D. (2017). Formação inicial de professores de matemática na perspectiva da educação inclusiva: contribuições dadisciplina de Libras. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática), Instituto de Geociências e Ciências Exatas – Unesp,Rio Claro/SP.

Brasil. (1988).Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial.

_______. (1994). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP.

_______. (2001). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC/SEESP.

_______. (2008). Ministério da Educação. Secretaria da Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

Ciwko, V. (2016). Sex talk on the carpet incorporating gender and sexuality into 5th-grade curriculum. In: Rethinking sexism, gender, and sexuality. Milwaukee: Rethinking Schools.

Freire, P. (1987).Pedagogia do oprimido. 17. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. & Macedo, D. (2013)Alfabetização: Leitura do mundo, leitura da palavra.6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Grupo Gay Bahia. (2019).Relatório 2019: população LGBT morta no Brasil. Disponível em:<https://grupogaydabahia.files.wordpress.com/2019/01/relat%C3%B3rio-de-crimes-contra-lgbt-brasil-2018-grupo-gay-da-bahia.pdf>. Acesso em: 25 mar. 2020.

Gutstein, E. (2003) Teaching and learning mathematics for social justice in an urban, latino school. Journal for research in Mathematics Education,Reston, v. 34, n. 1, p. 37-73.

________. (2006).Reading and writing the world with mathematics: toward a pedagogy for social justice. New York: Routledge.

________. (2007). Connecting Community, critical, and classical knowledge in teaching mathematics for social justice. In: The Montana Mathematics Enthusiast. 2007. p.109-118.

________. (2016). A letter to those who dare teach mathematics for social justice. New York: Routledge, 2016. In: E. A. Silver & P. A. Kenney (Eds.) More lessons learned from research: Volume 2.

________. (2018).The struggle is pedagogical: learning to teach critical mathematics. In: ICME-13. Monographs. Springer.

Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA). (2015).Retrato das desigualdades de gênero e raça. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/retrato/apresentacao.html>. Acesso em 30 de jun. 2020.

Louro, G. L. (2007). Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, G.L. (Org.) O corpo educado. Belo Horizonte: Autêntica, p.7-34.

Pereira, C.F. (2017). Barreiras à ambição e à representação política da população LGBT no Brasil. Revista Ártemis, Vol. XXIV, nº 1, jul-dez, p.120-131.

Skovsmose, O. (2014). Um convite à Educação Matemática Crítica. Campinas: Papirus.

Tempel, M. B. (2016). Introduction. In: Rethinking sexism, gender, and sexuality. Milwaukee: Rethinking Schools.

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Dias Barros, D. (2021). Da comunidade LGBT+ para as aulas de matemática: que interlocuções são possíveis? . Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 91-104. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2475

Edição

Seção

Dossiê "Educação Matemática e Decolonialidade"