A Pandemia sob outra Perspectiva

uma experiência com fotografias no ensino não presencial de geometria espacial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i3.2459

Palavras-chave:

Perspectiva, Geometria espacial, Fotografia, Performance Matemática Digital

Resumo

Diante da necessidade de desenvolver estratégias para a educação não presencial em razão da pandemia do novo coronavírus, consta-se neste artigo, uma experiência de ensino de perspectiva por meio da utilização de fotografias. A tarefa procurou subsidiar o estudo de geometria espacial, utilizando um dos tipos de perspectiva para produzir fotos com temáticas associadas à pandemia. Ela foi realizada na segunda metade de maio de 2020, com 116 alunos de três turmas do segundo ano do ensino médio integrado de uma instituição federal de educação profissional. Neste artigo, o objetivo foi discutir como o conhecimento sobre perspectiva contribuiu na produção das performances matemáticas digitais sobre a pandemia. Para tanto, realizou-se uma discussão teórica acerca do ensino da geometria e das performances matemáticas digitais, seguida da descrição do trabalho realizado, das reflexões emergentes do processo e das considerações gerais sobre a atividade. Ao final, houve a associação as fotografias a temáticas sociocríticas, refletindo sobre como o conhecimento de perspectiva forçada influenciou nas performances fotográficas dos alunos. Sem romantizar o complexo momento histórico vivido, acredita-se ter conduzido uma prática de Educação Matemática que procurou reforçar as medidas de prevenção, valorizar a atuação de trabalhadores de serviços essenciais e chamar a atenção dos alunos e famílias sobre o impacto social decorrente da pandemia. Assim, concluiu-se que o ato fotográfico estabeleceu um fio condutor para os aspectos da visualização geométrica e de sua representação, potencializando o ensino da geometria.

Referências

Borba, M.; Scucuglia, R.; Gadanidis, G. (2014). Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática: sala de aula e Internet em movimento. Belo Horizonte: Editora Autêntica.

Borba, M. C., & Villarreal, M. E (2005). Humans-With-Media and the reorganization of Mathematical Thinking: information and communication technologies, modeling, experimentation and visualization. New York: Springer.

Brasil. Ministério da Saúde (2020). Sobre a doença. Retirado em 24 de agosto de 2020, de https://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca#como-se-proteger

Carvalho, M. L. O. (2010). Representações planas de corpos geométricos tridimensionais: uma proposta de ensino voltada para a codificação e decodificação de desenhos. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Ouro Preto, Mestrado Profissional em Educação Matemática, Ouro Preto, MG.

Dutra, N. C. G. (2020). A experiência da rede pública estadual do Maranhão no contexto da Covid-19: os desafios das desigualdades sociais e as novas tecnologias na educação no século XXI. Revista Pedagogia Cotidiano Ressignificado, 1(4), pp. 111-119.

Eves, H. (1994). Tópicos de história da matemática para uso em sala de aula: geometria. Atual, São Paulo.

Freire, P. (2002). Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra.

G1. Governo adota reabertura gradual e alternada do comércio. Retirado em 28 de agosto de 2020, de https://g1.globo.com/es/espirito-santo/noticia/2020/05/08/governo-do-es-adota-reabertura-gradual-e-alternada-do-comercio-entenda.ghtml

Gutiérrez, A. (1996). Visualization in 3-dimensional geometry: in search of a framework. 145 In: L. Puig, A. Gutiérrez (Eds.). Proceedings of 20th PME Conference, v. 3, p. 19-26, Universidade de Valência, Espanha, 1996.

Lima, L. C. & Moisés, R. P. (1998). A Forma: movimento e número: proposta didática para a aprendizagem da linguagem geométrica. São Paulo: Programa Integrar - CUT, SP.

Lima, L. C.; Moisés, R. P. (2002). Uma Leitura do Mundo: forma e movimento. São Paulo: Escolas Associadas.

Moreira, H. & Caleffe, L. G. (2008). Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina.

Nacarato, A. M. & Santos, C. A. (2014). Aprendizagem em Geometria na educação básica: a fotografia e a escrita na sala de aula. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Neiva-Silva, L. & Koller, S. H. (2002). O uso da fotografia na pesquisa em Psicologia. Estudos de Psicologia, 7(2), pp. 237-250.

ONU Brasil (2020). Chefe da ONU pede maior proteção para crianças atingidas pela crise da COVID-19. Retirado em 28 de agosto de 2020, de https://nacoesunidas.org/chefe-da-onu-pede-maior-protecao-para-criancas-atingidas-pela-crise-da-covid-19

Rodrigues, V. L. G. C. (2006). Aprendizagem do conceito de volume e o desenvolvimento intelectual: uma experiência no ensino fundamental. Dissertação (mestrado) – Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-graduação em Educação, Maringá, PR.

Rovetta, O. M. (2015). Interações em sala de aula e em redes sociais no estudo de sólidos geométricos no ensino médio. Dissertação (mestrado) – Instituto Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática, Vitória, ES.

Rovetta, O. M., & Silva, S. A. F. (2020). Reflexões sobre uma trajetória de ações envolvendo perspectiva e fotografia. Educação Matemática em Revista-RS, 2, pp. 27-36.

Saraiva, K., Traversini, C., & Lockmann, K. (2020). A educação em tempos de COVID-19: ensino remoto e exaustão docente. Práxis Educativa, 15, pp. 1-24.

Segadas, C. (Org.). (2008). Visualizando Figuras Espaciais. Rio de Janeiro: IM/UFRJ.

Trojack, C. L., & Wrobel, J. S. (2017). Performance Matemática Digital. In: C. L. Trojack, J. S. Wrobel &, V. Oechsler (Orgs.). Matemática com arte: sugestões de atividades interdisciplinares (pp. 107-115). Curitiba: Appris.

Vital, C., & Scucuglia, R. R. da (2020). A criação de GIFs com o GeoGebra para produção de narrativas matemáticas digitais. Amazônia, 16(36), pp. 128-141.

Publicado

2021-08-02

Como Citar

Sá, L. C. e, & Rovetta, O. M. (2021). A Pandemia sob outra Perspectiva: uma experiência com fotografias no ensino não presencial de geometria espacial. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(3), 41-56. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i3.2459

Edição

Seção

Dossiê "Educação Matemática em Tempos de Crise"