Tarumbeta e suas Potencialidades Matemáticas

Autores

  • Antonio Francisco Ramos Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI México https://orcid.org/0000-0003-4841-1442
  • Ciro Miguel da Silva Labrada Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI Puerto Rico

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2448

Palavras-chave:

Jogo. Tarumbeta. Etnomatemática. Etnomodelagem. Artefato cultural.

Resumo

O artigo objetiva demonstrar as potencialidades etnomatemáticas do jogo de Tarumbeta cujas regras orientam formas de pensar e agir baseadas em etnomodelos matemáticos de raiz africana. O estudo dialoga com a perspectiva da Etnomatemática e etnomodelagem como possibilidades de articulação entre conhecimentos êmicos e éticos nas situações do jogo onde está presente os valores da cosmovisão africana, a exemplo da oralidade, ancestralidades, cooperação, dentre outros. Cita-se ainda as contagens e cálculos mentais que, dentro dos limites da regra jogo, remete ao pensamento africano. Aborda-se o jogo como propiciador de circunstâncias para a produção de conhecimento por meio das situações problemas cuja solução exige tomada de decisão e participação ativa dos jogadores. Neste sentido, a questão que move o estudo é saber: Que conhecimentos matemáticos a Tarumbeta é capaz de mobilizar no observador outsider? Para aproximação de uma resposta aponta-se para captura dos etnomodelos êmicos presentes nas regras do jogo cuja interpretação mobiliza etnomodelos éticos do observador outsider gerando conhecimento dialógico que articula diferentes lógicas. Argumenta-se que o jogo de Tarumbeta possui potenciais pedagógicos que dialoga com os objetos do conhecimento previstos no currículo da escola brasileira, a exemplo da contagem, números triangulares, progressão aritmética, triângulo de Tartaglia dentre outros.

Biografia do Autor

Antonio Francisco Ramos, Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI México

Doutorando em Educação pela Univerdidad Internacional Iberoamericana - UNINI México/FUNIBER, mestre em Ciência Política (UFPI), especialista em Psicologia da Educação (UFPI) e graduado (bacharel e licenciado) em Ciências Sociais (UFPI). Atualmente é professor de Sociologia do Instituto Federal de Educação Tecnológica do Piauí (IFPI)/Campus Angical do Piauí, em cursos técnicos (Administração e Informática) e superiores (Física, Matemática e Administração). Ademais, é líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação, Inclusão e Políticas Públicas-GEPEIP/IFPI/Campus Angical do Piauí, membro da Red Latinoamericana de Etnomatemática, membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro-brasileiros e Indígenas-NEABI/IFPI/Campus Angical do Piauí e ex-coordenador de Pesquisa e Inovação/IFPI/Campus Angical do Piauí (2016/2017) e capoeirista. Atualmente tem como principal interesse de estudo a educação voltada para a diversidade e as relações étnico-raciais, com ênfase na Lei 10.639/2003 e Lei 11.645/2008, Jogos de tabuleiros africanos e etnomatemática.

Referências

Bassanezi, R. C. (2015). Modelagem matemática: teoria e prática. São Paulo: Contexto. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/274005839_Modelagem_Matematica_Teoria_e_Pratica.

Bassanezi, R.C. (2002). Ensino-aprendizagem com modelagem matemática: uma nova estratégia. 3 ed. São Paulo: Editora Contexto. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/256007243_Ensino_-_aprendizagem_com_Modelagem_matematica

Berger, P. L., &Luckmann, T. (2007). A construção social da realidade. Editora Vozes.

Bernardino-Costa, J., &Grosfoguel, R. (2016). Decolonialidade e perspectiva negra. Sociedade e Estado, 31(1), 15-24. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69922016000100015&script=sci_arttext

Campos, M. D. (2002). Etnociência ou etnografia de saberes, técnicas e práticas? In Amorozo, M. C. D. M., Ming, L. C.& Silva, S. P. (Orgs.). Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Rio Claro: UNESP/CNPq, p. 47-92. Recuperado de https://www.sulear.com.br/texto02.pdf

Carvalho, J. M., & Silva, S. K. (2009). O “uso” dos artefatos culturais como movimentos táticos e estratégicos, em espaços lisos e estriados, nos currículos praticados no cotidiano escolar. Revista Teias, 10(20), 14. Recuperado de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/24083

Certeau, M. (2001). A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. Petrópolis: Vozes.

Chavellard, Y. (2000). La transposición didáctica: del saber sábio al saber enseñado. Buenos Aires: Aique. Recuperadode https://www.terras.edu.ar/biblioteca/11/11DID_Chevallard_Unidad_3.pdf

Cunha, D. A. D. (2016). Brincadeiras africanas para a educação cultural. Castanhal, PA: Edição do autor. Recuperado de https://livroaberto.ufpa.br/jspui/bitstream/prefix/196/1/Livro_BrincadeirasAfricanasEducacao.pdf

D’Ambrosio, U. (1990). Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. São Paulo: Ática.

D’Ambrosio, U. (1993). Etnomatemática: um programa. A Educação Matemática em Revista, 1(1), 5-11, 19.

D’Ambrosio, U. (2000). Etnomatemática e modelagem. InI Congresso Brasileiro de Etnomatemática CBEm,1, 2000, São Paulo. Anais.São Paulo: EDUSP. Recuperado de http://www2.fe.usp.br/~etnomat/site-antigo/anais/UbiModelEtno.html

D’Ambrosio, U. (2005). Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e Pesquisa, São Paulo, 31(1), 99-120. Recuperado dehttps://www.scielo.br/pdf/ep/v31n1/a08v31n1.pdf

Eglash, R., &Odumosu, T. B. (2005). Fractals, complexity, and connectivity in Africa. What mathematics from Africa, 101-109. Recuperado de https://www.vagabondssanstreves.com/wp-content/uploads/2016/06/Eglash_fractals.pdf

Ferraço, C. E., Soares, M.C.S., & Alves, N. (2018). Michel de Certeau e as pesquisas nos/dos/com os cotidianos em educação. Rio de Janeiro: EdUERJ. Recuperado de http://www.scielo.org.co/pdf/pys/n46/n46a02.pdf

Gerdes, P. (2007). Etnomatemática: Reflexões sobre matemática e diversidade cultural. Edições Húmus,LDA.

Gerdes, P. (2008). A Numeração em Moçambique: contribuição para uma reflexão sobre cultura, língua e educação matemática. Maputo, Moçambique: Centro de Pesquisa para Matemática, Cultura e Educação. Recuperado de http://www.etnomatematica.org/BOOKS_Gerdes/a_numeracao_em_mocambique.pdf

Gerdes, P. (2008). A Numeração em Moçambique: contribuição para uma reflexão sobre cultura, língua e educação matemática. Centro de Pesquisa para Matemática, Cultura e Educação.

Grosfoguel, R. (2007). Dilemas dos estudos étnicos norte-americanos: multiculturalismo identitário, colonização disciplinar e epistemologias descoloniais. Ciência e cultura, 59(2), 32-35.http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=s0009-67252007000200015&script=sci_arttext

Lei 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm

Lett, J. (1996). Emic-eticdistinctions. In Levinson, D. eEmber, M. (Eds.). Encyclopediaof cultural anthropology. New York, NY: Henry Holt and Company. Recuperado de http://www.jameslett.net/uploads/4/5/4/0/45400701/webpage_article_emic_etic_distinctions.pdf

Lima, E. L., Carvalho, P. P., Wargner, E., & Morgado, A. C. (2016). A Matemática de Ensino Médio. 7. ed. Rio de Janeiro: SBM. Recuperado de https://www.ime.unicamp.br/~msm/capitulo1matematicadoensinomedio.pdf

Maldonado-Torres, N. (2016). Transdisciplinaridade e decolonialidade. Sociedade e estado, 31(1), 75-97. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69922016000100075&script=sci_arttext&tlng=pt

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2014). Sociologia Geral. 7 ed. São Paulo: Atlas.

Raum, O. F. (1996). Chaga Childhood: a descripition of indigenous education in an East African Tribe. Humburg: LIT.

Rosa, M. &Orey, D. C. (2017). Etnomodelagem: investigando saberes êmicos e éticos em uma abordagem dialógica. Journal of Mathematics and Culture, 11, 1-21. Recuperadode https://journalofmathematicsandculture.files.wordpress.com/2017/10/article1_daniel_milton.pdf

Rosa, M., &Orey, D. (2009). Symmetricalfreedom quilts: theethnomathematicsofwaysof communication, liberation, and art. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 2(2). 52-75 http://www.etnomatematica.org/v2-n2-agosto2009/rosa-orey.pdf

Rosa, M., &Orey, D. C. (2003). Vinho e Queijo: Etnomatemática e Modelagem. Bolema, Rio Claro – SP, v. 16, n. 20, set. Recuperado de http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/10541

Rosa, M., &Orey, D. C. (2012). O campo de pesquisa em etnomodelagem: as abordagens êmica, ética e dialética. Educação e Pesquisa, 38(4), 865-879.Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/ep/v38n4/06.pdf

Rosa, M., &Orey, D. C. (2013). As abordagens êmica, ética e dialética na pesquisa em etnomodelagem. Actas del VII CIBEM, 2301(0797), 3475. Recuperado de http://www.cibem7.semur.edu.uy/7/actas/pdfs/275.pdf.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2014). Etnomodelagem: a abordagem dialógica na investigação de saberes e técnicas êmicas e éticas.Revista Contexto & Educação, 29(94),132-152, Recuperado de https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoeducacao/article/view/3110

Rosa, M., & Orey, D. C. (2018). Etnomatemática: investigações em etnomodelagem. Revista de Investigação e Divulgação em Educação Matemática. Recuperado de https://doi.org/10.34019/2594-4673.2018.v2.27368

Scherer, P. (2013). Natural differentiation in the teaching of mathematics to children starting school. South African Journal of Childhood Education, 3(1), 100-116. Recuperado de https://pdfs.semanticscholar.org/6018/ef035232aa6b9a35df048acd53f248950858.pdf

Silva, S. K. (2015). Cartografia das artes de fazer e de nutrir. Instrumento: R. Est. Pesq. Educ., Juiz de Fora, 17(1), 11-20.Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/revistainstrumento/article/view/18924

Zaslavsky, C. (1991). África conta: Número e Padrão na Cultura Africana. Boston: Prindle, Weber & Schmidt

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Ramos, A. F., & da Silva Labrada, C. M. . (2021). Tarumbeta e suas Potencialidades Matemáticas. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 44-65. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2448

Edição

Seção

Dossiê "Educação Matemática e Decolonialidade"