Entre linhas tortas ou uma formação pela pesquisa com crianças e seus aprendimentos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2429

Palavras-chave:

Pesquisa com crianças. Infância. Decolonialidade. Educação Matemática.

Resumo

Este texto faz ressoar algumas das discussões produzidas na dissertação de mestrado intitulada Entre infâncias, narrativas e delírios: fora da escola, fora da matemática, fora do risco..., em que nos propusemos produzir narrativas com crianças de 4 e 5 anos que frequentavam a pré-escola, na Educação Infantil. Buscávamos por diálogos com a infância que nos ajudassem a compreender como essas crianças vivenciam/ocupam o espaço da escola e de que modo se relacionam e significam o que chamamos de matemática nesse espaço. Assim, com base em algumas das linhas traçadas nesse trabalho, optamos por discutir, neste espaço, as aproximações entre a pesquisa e as discussões acerca da colonialidade e decolonialidade, em um movimento de formação pela pesquisa junto às crianças e, com isso, também expor aprendimentos que saltam em um contexto de pesquisa dessa natureza, buscando fomentar uma discussão em torno de escolhas teóricas e metodológicas que abrangem demandas acerca da infância, narrativas e pesquisa. Além disso, ao destacar algumas potencialidades de uma pesquisa com crianças, quiçá podemos fazer ecoar possibilidades para uma formação decolonial, entre linhas tortas.

Biografia do Autor

Vivian Nantes Muniz Franco, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Luzia Aparecida de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Docente do Instituto de Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Referências

Almeida, S. R. G. (2010). Prefácio - Apresentando Spivak. SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar, 2, 7-21.

Barad, K. (2014). Diffractingdiffraction: Cuttingtogetherapart. Parallax, 20(3),168-187.

Barros, M. de. (2006). Memórias inventadas: A segunda infância. Planeta.

Barros, M. de. (2013). Poesia completa. Leya.

Franco, V. N. M. (2019). Entre infâncias, narrativas e delírios: Fora da escola, fora da matemática, fora do risco... [Dissertação (Mestrado em Educação Matemática)]. Universidade Federal De Mato Grosso do Sul.

Franco, V. N. M., & de Souza, L. A. (2020). Manifestos reverberados em uma Educação Matemática em pesquisa com crianças: encontros e resistências na urgência de serem percebidos. VIDYA, 40(2), 475-493.

Fricker, M. (2007). Epistemic injustice: Power and the ethics of knowing. Oxford University Press.

Kohan, W. O. (2003). Infância: Entre educação e filosofia (1. ed). Autêntica Ed.

Kohan, W. O. (2007). Infância, estrangeiridade e ignorância: ensaios de filosofia e educação. Autêntica Editora.

Lander, E. et al. (Ed. ). (2014). ¿Conocimiento para qué? ¿Conocimiento para quién? Reflexiones sobre la universidad y la geopolítica de los saberes hegemónicos. In Z. Palermo (Org.), Des/decolonizar la universidad (1a ed). Ediciones del Signo.

Larrosa, J. (2017). Tremores: escritos sobre experiência. Autêntica.

Mignolo, W. D. (2008). Desobediência epistêmica: A opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF–Dossiê: Literatura, língua e identidade, 34, 287–324.

Mignolo, W. D. (2017a). Colonialidade: O Lado Mais Escuro da Modernidade (M. Oliveira, Trad.). Revista Brasileira de Ciências Sociais, 32(94), 01. https://doi.org/10.17666/329402/2017

Mignolo, W. D. (2017b). Desafios decolonais hoje. Revista Epistemologias do Sul, 1(1), 12–32.

Pessoa, F. (2007). Poemas Completos de Alberto Caeiro. Ática.

Silva, J. de S. (2013). La pedagogía de la felicidad en una educación para la vida: El paradigma del “buen vivir”/”vivir bien” y la construcción pedagógica del ‘día después del desarrollo’. In C. E. Walsh, Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Abya Yala.

Silva, M. D. S. (2020). O que podem as narrativas na Educação Matemática brasileira. Tese de doutorado, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP, Brasil.

Souza, L. A., & Cury, F. G. (2015). A Hermenêutica de Profundidade como recurso metodológico para as pesquisas em História da Educação Matemática. Perspectivas da Educação Matemática, 8(18).

Veríssimo, L. F. (1994). Diminutivos. In Comédias da vida privada: 101 crônicas escolhidas. LPM.

Walsh, C. E. (2009). Interculturalidad, estado, sociedad: Luchas (de)coloniales de nuestra época (1. ed). Universidad Andina Simón Bolívar, Ecuador : Abya-Yala.

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Nantes Muniz Franco, V., & de Souza, L. A. (2021). Entre linhas tortas ou uma formação pela pesquisa com crianças e seus aprendimentos. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(2), 173-192. https://doi.org/10.37001/ripem.v11i2.2429

Edição

Seção

Dossiê "Educação Matemática e Decolonialidade"