Afetos na Cidade das Esmeraldas: algumas reflexões das alunas de Pedagogia sobre como sentem a Matemática

Autores

  • Letícia de Queiroz Maffei Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • João Alberto da Silva Universidade Federal do Rio Grande - FURG

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v10i2.2175

Palavras-chave:

Education, Mathematics Education

Resumo

Este artigo se propõe como uma retomada do caminho percorrido na construção da tese de doutoramento na qual foi feita a aproximação das personagens de Oz com os afetos em relação à Matemática. No estudo realizado sob um viés fenomenológico, a obra de Frank Baum deu vazão às categorias de análise elucidadas. A partir dos escritos de pedagogas em formação, no que tange aos afetos estabelecidos perante a Matemática, podemos identificar alguns arquétipos. As personagens Oz (Dorothy, Homem de Lata, Leão e Espantalho) emergiram ao longo das leituras como elementos potenciais na ilustração do que se mostrava quando tais acadêmicas escreviam sobre suas memórias e vivências acerca da Matemática. A visualização das nuances de Oz nos escritos se mostrou como uma possibilidade de metáfora e intertextualidade que rompia com a rigidez associada à própria disciplina. Também, foi o tônus para a percepção efetiva das diferentes perspectivas em que os afetos se direcionavam. Por fim, o que se pode perceber é que não há como separar a forma como estudamos, aprendemos e ensinamos Matemática da forma como nossos afetos são mobilizados, sendo estes potencializadores desta relação de ensino e aprendizagem.

Referências

Albarello, Q. R. (2014). Um olhar sobre a Matemática: fobia ou encantamento (Dissertação de Mestrado). Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Frederico Westphalen, RS, Brasil.

Albuquerque, F. M. (2012). Histórias de sala de aula nas rodas de professores de química: potência para a formação acadêmico-profissional (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, RS, Brasil.

Baum, L. F. (2013). O mágico de Oz. Rio de Janeiro: Zahar.

Bicudo, M. A. V. (Org.). (2010). Filosofia da educação matemática: fenomenologia, concepções, possibilidades didático-pedagógicas. São Paulo: Editora UNESP.

Bicudo, M. A. V. (Org.). (2011). Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. São Paulo: Cortez.

Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora.

Brandão, L. C. (2016). Telegramas. São Paulo: Saraiva.

Carvalho, D. L. (2009). Metodologia do Ensino de Matemática. São Paulo: Cortez.

Carvalho, F. A. H. (2007). Reaprender a aprender: a pesquisa como alternativa metacognitiva (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Cunha, M. I. (1991). A relação professor-aluno (pp. 145-158). Campinas, SP: Papirus.

Felicetti, V. I. (2007). Um estudo sobre o problema da MATOFOBIA como agente influenciador nos altos índices de reprovação na 1ª série do Ensino Médio. (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Ferreira, A. C. (2003). Metacognição e desenvolvimento profissional de professores de Matemática: uma experiência de trabalho colaborativo (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Fioravante, A. P. G. (2014). Escrita reflexiva na formação inicial de professores: vivências no Curso de Pedagogia da FURG (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, RS, Brasil.

Henrique, P. (2015). Um cartão: sentimentos cotidianos. (1. ed.). Rio de Janeiro: Fábrica231.

Jou, G. I. I.; & Sperb, T. M. (2006). A metacognição como estratégia reguladora da aprendizagem. Psicologia Reflexão e Crítica, 19(2), 177-185.

Klüber, T. E., & Burak, D. (2008). A fenomenologia e suas contribuições para a Educação Matemática. Práxis Educativa, 3 (1).

Leite, E. A. P.; & Darsie, M. M. P. (2011). Implicações da metacognição no processo de aprendizagem da Matemática. Revista Eletrônica de Educação, 5(2), 179-191.

Lobato, M. (1959). A Aritmética da Emília. São Paulo: Editora Brasiliense.

Lopes, J. P. (2017). Análise semiótico-psicanalítica de uma representação visual da burrice no ensino-aprendizagem de matemática. Ciência e Educação (UNESP), 23, pp. 237-254.

Lopes, J. P. (2012). Representação social da burrice em educação matemática: análise semiótico-psicanalítica. Anais do Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, Fortaleza, CE, Brasil, 3.

Lopes, J. P. (2011). Representações sociais de professoras polivalentes sobre educação matemática. Anais da Conferência Interamericana de Educação Matemática, Recife, PE, Brasil, 13.

Lorenzato, S. (2006). Para aprender matemática. (Coleção Formação de professores). Campinas, SP: Autores Associados.

Maffei, L. Q. (2018). Os afetos nas relações entre pedagogia e matemática: um olhar de pedagogas em formação para si (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, RS, Brasil.

Maffei, L. Q., & da Silva, J. A. (2018a). O que se mostra quando pedagogas em formação escrevem sobre suas experiências com a matemática?. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, 14(29), 161-176.

Maffei, L. Q., & da Silva, J. A. (2018b). Pelo caminho de tijolos amarelos: os afetos em relação à Matemática na formação inicial de pedagogas. Revista Paranaense de Educação Matemática, 7(13).

Maffei, L. Q., & da Silva, J. A. (2018c). Encontros com a matemática na terra de Oz. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 11(3), 71-86.

Marques, M. O. (2008). Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. Petrópolis, RJ: Vozes.

Martins, J., & Bicudo, M. A. V. (2006). Estudos sobre existencialismo, fenomenologia e educação. (2. ed.). São Paulo: Centauro.

Maximo, M; & Abib, M. L. V. S. (2013). Habilidades metacognitivas em atividades de resolução de problemas. Anais do Congreso Internacional sobre Investigación em Didáctica de Las Ciencias, Girona, Espanha, 9.

Merleau-Ponty, M. (2011). Fenomenologia da Percepção. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. (4. ed.). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Montoito, R. (2009). Chá com Lewis Carroll. (1. ed.). Pelotas, RS: Editora e Gráfica Universitária.

Montoito, R. (2011). Chá com Lewis Carroll: a matemática por trás da literatura. (1. ed.). Jundiaí, SP: Paco Editorial.

Moraes, R; Galiazzi, M. C. (2011). Análise Textual Discursiva. Ijuí, RS: Editora Unijuí.

Papaleontiou-Louca, E. (2008). Metacognition and theory of mind. Newcastle, UK: Cambridge Scholars Pub.

Parecer CNE/CES 09. (2001). Diretrizes nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: MEC/SEB.

Portilho, E. M. L. (2004). A aprendizagem na universidade: os estilos de aprendizagem e a metacognição. Anais do Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, Curitiba, PR, Brasil, 12.

Rezende, A. M. (1990). Concepção fenomenológica de educação. (v. 3). (Coleção polêmicas do nosso tempo). São Paulo: Cortez, Autores Associados.

Sadovsky, P. (2010). O ensino de matemática hoje: enfoques, sentidos e desafios. Tradução de Antonio de Padua Danesi. (1. ed.). São Paulo: Ática.

Sophia, G. S.; & Garcia, P. B. (2015). Andanças pelo País das Maravilhas e pelo Bosque do Espelho: Reflexões de Alice para a Educação. Jundiaí, SP: Paco Editorial.

Silveira, M. R. A. A dificuldade da matemática no dizer do aluno: ressonâncias de sentido de um discurso. Educação e Realidade, 36, pp. 45-63.

Tahan, M. (2001). O homem que calculava. (55a ed.). Rio de Janeiro: Record.

Thomaz, T. C. F. (1996). Não Gostar de Matemática que fenômeno é este? (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Vettori, B. (2015). Rotina & rabisco: inspirações por uma rotina mais leve. (1. ed.). Rio de Janeiro: 2015.

Publicado

2020-06-11

Como Citar

Maffei, L. de Q., & da Silva, J. A. (2020). Afetos na Cidade das Esmeraldas: algumas reflexões das alunas de Pedagogia sobre como sentem a Matemática. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 10(2), 120-136. https://doi.org/10.37001/ripem.v10i2.2175