Às Avessas: outros percursos para se pensar/discutir as inter-relações entre matemática e literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v10i2.2170

Palavras-chave:

Matemática e literatura, Lewis Carroll, A caça ao turpente, Leitura e escrita criativas, Narrativas e educação matemática.

Resumo

Este artigo se apropria de algumas obras literárias para discutir e apresentar propostas de escritas criativas para a Educação Matemática, que ponham em coexistência a racionalidade desta disciplina com a inventividade da escrita literária, abrindo espaços à criatividade. Tomando como referência de destaque as obras de Lewis Carroll e o modo como ele trabalha a ruptura do tempo e do espaço em algumas de suas narrativas, este texto é uma exegese de seu mais longo poema nonsense: A caça ao turpente (The hunting of the snark). O resultado, a partir de estudos da obra carrolliana e de aspectos da historiografia de seu tempo, é a apresentação de três conteúdos matemáticos que emergem de sua narrativa. Tal qual o autor a concebeu, assim serão apresentados os passos desta pesquisa: do final para o princípio, isto é, das referências bibliográficas para a introdução.

Biografia do Autor

Rafael Montoito, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (campus Pelotas)

Licenciado em Matemática (Universidade Federal de Pelotas) Mestre em Ciências Sociais Aplicadas; linha de pesquisa em Educação Matemática (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) Doutor em Educação para a Ciência (Universidade Estadual Paulista) Pós-doutor pelo Department of English Literature (University of Birmingham, Inglaterra).

Referências

ALBARELLO, Q. R. S. (2014). Um olhar sobre a matemática: fobia ou encantamento? Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Frederico Westphalen, 2014.

ANTUNES, A. A. (1984). Aventuras no país dos turpentes ou através do turpente e o que encontrei lá / Notas à tradução. In: CARROLL, L. A caça ao turpente. Além Paraíba: Interior Edições.

ÁVILA, M. (1996). Rima e solução: a poesia nonsense de Lewis Carroll e Edward Lear. São Paulo: Annablume.

BRANDT, C. F; BURAK, D; KLÜBER, T. E. (2010). Modelagem matemática: uma perspectiva para a educação básica. Ponta Grossa: Editora UEPG.

CAMPOS, G. (2004). O que é tradução. São Paulo: Brasiliense.

CARROLL, L. (1953). Diaries. GREEN, R. L. (Editor). Londres: Cassell &Company LTD.

CARROLL, L. (1979). The letters of Lewis Carroll. In: COHEN, M. N (Eds.). Nova Iorque: Oxford University Press.

CARROLL, L. (1984). A caça ao turpente. Além Paraíba: Interior Edições.

CARROLL, L. (2003). A caça ao snark. Lisboa: Assírio & Alvim.

CARROLL, L. (2003). Alicia en el país de las maravillas / A través del espejo / La caza del snark. Barcelona: Plaza y Janés Editores.

CARROLL, L. (2005). The complete stories and poems of Lewis Carroll. New Lanark: Geddes & Grosset.

CARROLL, L. (2006). The annoted hunting of the snark – The definitive edition. Nova Iorque: Norton & Company.

CARROLL, L. (2016). A caça ao esnarque. São Paulo: Laranja Original.

CARROLL, L. (2017). A caça ao snark. Rio de Janeiro: Galeria Record.

CHACÓN, I. M. G. (2003). Matemática emocional: os afetos na aprendizagem matemática. Porto Alegre: Artmed.

COHEN, M. N. (1998). Lewis Carroll – uma biografia. Rio de Janeiro: Record.

CORTÁZAR, J. (2013). O jogo da amarelinha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CURY, H. N. (2008). Análise de erros: o que podemos aprender com as respostas dos alunos. Belo Horizonte: Autêntica.

D’AMORE, B. (2012). Matemática, estupefação e poesia. São Paulo: Editora Livraria da Física.

FELICETTI, V. L. (2007). Um estudo sobre o problema da MATOFOBIA como agente influenciador nos altos índices de reprovação na 1ª série do Ensino Médio. Unpublished master’s thesis, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil.

FLORES, E. C.; VASCONCELOS, I. H. G. de. (2000). A era vitoriana: a duração de um reinado. São Paulo: FTD.

FUX, J. (2016). Matemática e Literatura: Jorge Luis Borges, George Perec e o OULIPO. São Paulo: Perspectiva.

GARDNER, M. (2002). Notas. In: CARROLL, L. Alice – edição comentada. Rio de Janeiro: Zahar.

GARDNER, M. (2006). Notas. In: CARROLL, L. The annoted hunting of the snark – The definitive edition. Nova Iorque: Norton & Company.

GARNICA, A. V. M. (2015). Ceci n’est pas un article: impressões fragmentadas sobre Arte e Educação Matemática. Zetetiké. v. 23, n. 43, 11-32.

GONTIJO, C. H. et al. (2019). Criatividade em matemática: conceitos, metodologias e avaliação. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

KRULIK, S; REYS, R. E. (1997). A resolução de problemas na matemática escolar. São Paulo: Atual.

LARROSA, J. (2002) Notas Sobre a Experiência e o Saber de Experiência. Revista Brasileira de Educação. São Paulo, n. 19, 20-28. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.

LEITE, S. U. (1986). Crítica Clandestina. Rio de Janeiro: Livraria Taurus Editora.

MANGUEL, A. (2009). À mesa com o Chapeleiro Louco: ensaios sobre corvos e escrivaninhas. São Paulo: Companhia das Letras.

MARRET, S. (2003). Lacan sobre Lewis Carroll. In: MILLER, Jacques-Alain (Eds.). Ornicar: de Jaques Lacan a Lewis Carroll. Rio de Janeiro: Zahar.

MARTINS, J. S. (2007). Projetos de pesquisa: estratégias de ensino e aprendizagem em sala de aula. Campinas: Armazém do Ipê.

MENDES, I. A. (2009). Matemática e investigação na sala de aula. São Paulo: Editora Livraria da Física.

MIORIM, M. A. (1998). Introdução à história da educação matemática. São Paulo: Atual.

MONTOITO, R. (2009). Ensinando matemática através da literatura: estudos e propostas de atividades interdisciplinares a partir das obras de Lewis Carroll. Pelotas: Editora e Gráfica Universitária da UFPel.

MONTOITO, R. (2011). Chá com Lewis Carroll: a matemática por trás da literatura . Jundiaí: Paco Editorial.

MONTOITO, R. (2017). Citar ou não citar, eis a questão (Ou a inusitada união literária de Shakespeare e Lewis Carroll para defender Euclides). Boletim Cearense de Educação e História da Matemática. n. 4, n. 11, 49-68.

MONTOITO, R. (2019) Entrelugares: pequeno inventário inventado sobre matemática e literatura. BOLEMA. v. 33, n. 64, 892-915.

MONTOITO, R. (2019). Lógica e nonsense nas obras de Lewis Carroll: silogismos e tontogismos como exercícios para o pensamento. Pelotas: Editora do IFSul.

MONTOITO, R; RIOS, D. F. (2019). Manchas de tinta no papel: a literatura como fonte histórica. Zetetiké, v. 27, 1-18.

MORIN, E. (2004). A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

MORIN, Edgar. (2011). Os setes saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez.

ONUCHIC, L. de la R; ALLEVATO, N. S. G. (2012). Novas reflexões sobre o ensino-aprendizagem de Matemática através da resolução de problemas. In: BICUDO, M. A; BORBA, M. de C. (Eds.) Educação matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez.

PEREC, G. (2009). A vida modo de usar. São Paulo: Companhia das Letras.

POLYA, G. (2006). A arte de resolver problemas. Rio de Janeiro: Interciência.

PONTE, J. P; BROCARDO, J; OLIVEIRA, H (2006). Investigações matemáticas em sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica.

ROQUE, T. História da matemática: uma visão crítica, desfazendo mitos e lendas (2012). Rio de Janeiro: Zahar.

Publicado

2020-06-11

Como Citar

Montoito, R. (2020). Às Avessas: outros percursos para se pensar/discutir as inter-relações entre matemática e literatura. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 10(2), 89-106. https://doi.org/10.37001/ripem.v10i2.2170