Matemática e Literatura Infantil: um livro, um jogo e o desafio de “desenhar” o tempo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v10i2.2169

Palavras-chave:

Literatura Infantil, Ensino de Matemática,

Resumo

O presente artigo apresenta o recorte de uma pesquisa qualitativa de mestrado profissional, na perspectiva da pesquisa-ação, que investigou conexões entre matemática e literatura infantil. As atividades propostas a partir do livro Contagem Regressiva foram realizadas em uma turma de Educação Infantil de escola pública gaúcha. A exploração do livro e a contagem por ele sugerida levaram a um jogo, que provocou os alunos à observação de um relógio de ponteiros. Os registros destas crianças, de cinco e seis anos, evidenciam suas hipóteses sobre a passagem do tempo e noções de continuidade, nos alertando para o potencial pedagógico do relógio analógico na construção do conceito de tempo e na compreensão dos instrumentos que o medem. Além disso, o estudo reforça a importância da narrativa e da ludicidade no desenvolvimento das crianças pequenas. O trabalho com livros de leitura infantil potencializa a exploração de conceitos matemáticos complexos de modo intuitivo.

Biografia do Autor

Denise Soares Arnold, Rede Municipal de Ensino de Ivoti

Mestre em Ensino de Matemática; Universidade Federal do Rio Grande do Sul/ UFRGS. Professora da Rede Municipal de Ensino. Ivoti, RS/ Brasil

Andréia Dalcin, UFRGS

Departamento de Enisno e Curriculo da Faculdade de Educação da UFRGS - Docente do PPGEAMT do Instituto de Matemática da UFRGS

Referências

Arnold, D.S. (2016). Matemáticas presentes em livros de leitura: possibilidades para a Educação Infantil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Cartaxo,S.R.M. (2011). Pressupostos da Educação Infantil. Curitiba: Ibpex.

Coelho, N. N. (2015). Literatura Infantil: teoria, análise, didática. 7. ed. São Paulo: Moderna.

Dalcin, A. (2002). Um olhar sobre o paradidático de matemática. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.

Deleuze, G. (2003). Proust e os signos. 2.ed. trad. Antonio Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Dienes, Z. P. (1969). Os primeiros passos em matemática: exploração do espaço e prática da edição. São Paulo: Editora Herder.

Duhalde, M. H.; Cuberes, M.T. G. (1998). Encontros iniciais com a matemática: contribuições à educação infantil. Porto Alegre: Artes Médicas.

Elias, N. (1998). Sobre o Tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Grando, R. C.; Moreira, K.G. (2012). Como crianças tão pequenas, cuja maioria não sabe ler nem escrever, podem resolver problemas de matemática? In: Carvalho, M.; Bairral, M. A. (Orgs.) Matemática e educação infantil: investigações e possibilidades de práticas pedagógicas. Rio de Janeiro: Vozes.

Machado, N. J. (2011). Matemática e língua materna: análise de uma impregnação mútua. 6. ed. São Paulo: Cortez.

Pelhan, S. (2013). Contagem Regressiva. São Paulo: Ciranda Cultural.

Smole, K. (1993). Era uma vez na matemática: uma conexão com a literatura infantil. São Paulo: IME-USP.

Tripp, D. (2005, set./dez). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, 31 (3), 443-466.

Whitrow, G. J. (2005). O que é tempo? Uma visão clássica sobre a natureza do tempo. (Trad. de Maria Ignez Duque Estrada). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Publicado

2020-06-11

Como Citar

Arnold, D. S., & Dalcin, A. (2020). Matemática e Literatura Infantil: um livro, um jogo e o desafio de “desenhar” o tempo. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 10(2), 167-181. https://doi.org/10.37001/ripem.v10i2.2169