DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O NORMAL COMO NOVO REMOTO

Autores

  • Tânia C. B. Cabral

DOI:

https://doi.org/10.37001/EMR-RS.v.2.n.22.2021.p.111-118

Resumo

 A pandemia impôs o esvaziamento das salas de aulas e o ensino remoto dito emergencial. O professor, diante do novo, passou a expressar angústias e desejo de retornar ao normal. Neste texto questiono tal normalidade que aguça a vontade de retorno a um passado tido como normal. As reflexões à luz de Marx iluminam a questão do tempo cronológico que articula o novo e o retorno ao normal. Discuto essa temporalidade sob a conceituação de tempo lógico em Lacan e sob o conceito de análise sintomal em Althusser e argumento que a angústia do professor diante do novo indica o normal como sintoma. Concluo ser da ordem do impossível um retorno ao normal pois o sintoma está presente no novo normal. Ao final, convido o professor a aceitar o desafio para atuar a partir do conceito de intervenção diferencial e para participar de fóruns caracterizados por ação-reflexão-ação, amparados na teoria Freud-Marx-Lacan.

Publicado

2021-09-19

Como Citar

Cabral, T. C. B. . (2021). DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O NORMAL COMO NOVO REMOTO. Educação Matemática Em Revista - RS, 2(22). https://doi.org/10.37001/EMR-RS.v.2.n.22.2021.p.111-118