OFICINAS DE GEOMETRIA E ARTES VISUAIS: ESPAÇO PARA O DIÁLOGO, TROCA DE EXPERIÊNCIA E CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/EMR-RS.v.2n.21.2020.p.17-26

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar os conhecimentos mobilizados pelos professores dos anos iniciais numa oficina que articula artes visuais e geometria por meio da simetria. Utilizamos como aportes teóricos o modelo de conhecimento de Shulman (1986, 1987) e Abordagem Triangular de Ana Mae Barbosa (2009). Em nossa abordagem metodológica realizaremos três oficinas, cuja situações-problemas envolviam as ações de ensino da arte (leitura de imagem, contextualização e fazer artístico). Os resultados evidenciam que os professores mobilizaram conhecimentos sobre as propriedades da simetria; também mobilizaram conhecimentos estéticos e visualidades que engendram modos de compreender beleza e de compreender a matemática quando está articulada as artes visuais. As oficinas operaram como um instrumento de coleta de dados que possibilita o diálogo e troca de conhecimentos e experiência entre os professores.

Biografia do Autor

Luciana Ferreira Santos, Universidade federal de Pernambuco

Professora dos anos iniciais, Doutoranda da Pós-graduação em Educação Matemática e Tecnológica

Rosinalda Aurora de Melo Teles, Universidade Federal de Pernambuco

Possui Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade de Pernambuco (1989), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (2002) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (2007). Atualmente é professora associada da Universidade Federal de Pernambuco e desenvolve Projeto de Colaboração Técnica na UFRPE/ UAG. Orienta pesquisas de mestrado e doutorado no Programa de Pós Graduação em Educação Matemática e Tecnológica (EDUMATEC). Coordenou o PIBID -Pedagogia/UFPE; coordena o Grupo de Pesquisa em Educação Matemática:SEMEAR; Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nas temáticas: análise de livros didáticos, fórmulas de área, imbricações entre campos conceituais, grandezas e medidas; ensino de matemática no Ciclo de Alfabetização; jogos; formação inicial e continuada de professores. Atualmente é Diretora da regional da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM) em Pernambuco. Coordenou a Comissão Organizadora do VII Encontro Pernambucano de Educação Matemática.

Referências

BALL, D. L.; THAMES, M. H.; PHELPS, G. (2008). Content knowledge for teaching: What makes it special? Journal of Teacher Education, 59, n. 5, Nov./Dec. 2008, 389-407 p.
BARBOSA, Ana Mae. Tópicos Utópicos. Belo Horizonte: C/Arte, 1998.

CANDAU, V. M. Educação em Direitos Humanos: uma proposta de trabalho. In: CANDAU,V. M., ZENAIDE, M. N. T. Oficinas Aprendendo e Ensinando Direitos Humanos, João Pessoa: Programa Nacional de Direitos Humanos; Secretaria da Segurança Pública do estado da Paraíba; Conselho Estadual da Defesa dos Direitos do Homem e do Cidadão, 1999.

CIFUENTES, J. C.; NEGRELLI, L. G.; ESTEPHAN, V. M. Apreciar la Matemática vs. Comprender la Matemática: un debate didáctico. In: Anais da V Reunión de Didáctica Matemática del Cono Sur, Santiago, Chile, 2000.

FAINGUELERNT. E. K; NUNES. K. R. A. Fazendo Arte com matemática. Porto Alegre: Artmed. 2006.

GOMBRICH, E. The sense of order. Ithaca, NY: Cornell University Press, 1979.

HARDY, G. H. Em defesa de um Matemático. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

POINCARÉ, H. . Mathematical creation. En R. Smith (Ed.), Scientific Work and Creativity: Advice from the Masters, Vol. 1, pp. 177-183,1956.

OSTROWER, F. Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes, 2010.

SANTOS, M.; BICUDO, M. A. Uma Experiência de Formação Continuada com Professores de Arte e Matemática no Ensino de Geometria. Bolema, Rio Claro (SP), v. 29, n. 53, p. 1329-1347, dez. 2015

SINCLAIR, N. Aesthetics as a liberating force in mathematics education? ZDM, 41(1), 45-60, 2009.

SHULMAN, L. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Research, n. 15, 5, pp. 4-14, 1986. (Disponível em: http://www.ugr.es/local/recfpro/Rev92ART1.pdf) Acesso em: 20/04/2015.
______. Knowledge and Teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, Vol. 57, 1, pp. 1-22, 1987. (Disponível em: http://www.ugr.es/local/recfpro/Rev92ART1.pdf) Acesso em: 31/05/2015.

TARDIF, M.; GAUTHIER, C. O saber profissional dos professores: fundamentos e epistemologia. In: Seminário de pesquisa sobre o saber docente, 1996, Fortaleza. Anais... .Fortaleza: UFCE, 1996.

______; LESSARD, Claude; LAHAYE, Louise. Os professores face ao saber: esboço de uma problemática do saber docente. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 4, p. 215-233, 1991.

TEXEIRA, M. L. Ateliê de Matemática: Transdisciplinaridade e Educação Matemática. 150 f. Tese (doutorado em Educação matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

WAGNER, D. R. Visualidades movimentadas em oficina-dispositivo pedagógico: um encontro entre imagens da arte e professores que ensinam matemática. 204 f. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

Publicado

2020-11-09

Como Citar

Santos, L. F., & de Melo Teles, R. A. (2020). OFICINAS DE GEOMETRIA E ARTES VISUAIS: ESPAÇO PARA O DIÁLOGO, TROCA DE EXPERIÊNCIA E CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO. Educação Matemática Em Revista - RS, 2(21). https://doi.org/10.37001/EMR-RS.v.2n.21.2020.p.17-26