LEVANTAMENTO DAS UNIDADES DE MEDIDA NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADAS NA COMUNIDADE MOREIRA, RIO PARDO DE MINAS/MG: UM OLHAR ETNOMATEMÁTICO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37001/EMR-RS.v.2n.21.2020.p.79-89

Palavras-chave:

Medidas não convencionais, Instrumentos não convencionais, Etnomatemática, Agricultura familiar.

Resumo

Este estudo trata do levantamento de unidades de medida não convencionais utilizadas no trabalho diário dos agricultores da comunidade tradicional geraizeira do Moreira, situada em Rio Pardo de Minas, região norte do estado de Minas Gerais. O objetivo geral consistiu em identificar quais unidades e instrumentos de medida não convencionais são utilizados por estes agricultores. Apresenta cunho qualitativo e adotamos as técnicas de entrevista e registro fotográfico para a construção do material empírico. Como resultados, observamos que a todo instante os agricultores estão utilizando medidas e instrumentos próprios à sua cultura e que são classificados como não convencionais. Dessa forma detêm saberes e fazeres matemáticos passados de geração a geração, caracterizando-se como cultura entre o povo local. Notamos a importância destas medidas e destes instrumentos segundo a fala dos entrevistados, os quais afirmam que ambos são úteis ao seu trabalho.

Biografia do Autor

Cláudio Daniel Dias Silva, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

É Licenciado em Educação do Campo - área do conhecimento: Matemática pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), campus Uberaba.

Daniel Fernando Bovolenta Ovigli, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

É licenciado em Ciências Exatas - Habilitação Matemática pela Universidade de São Paulo (USP), licenciado em Ciências Biológicas, especialista em Novas Tecnologias no Ensino da Matemática e em Planejamento, Implementação e Gestão da EaD, ambas pela Universidade Federal Fluminense (UFF), mestre em Educação [linha de pesquisa: Ensino de Ciências e Matemática] pela Universidade Federal de São Carlos (PPGE/UFSCar) e doutor em Educação para a Ciência pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp). Atualmente é professor do Departamento de Educação em Ciências, Matemática e Tecnologias (DECMT), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas, Naturais e Educação (ICENE) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) onde atua nos cursos de graduação e no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFTM). Em seu currículo os termos mais ocorrentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: educação em ciências, educação matemática, divulgação científica, museus de ciências e formação de professores.

Referências

ARROYO, M. G.; FERNANDES, B. M. A educação básica e o movimento social do campo. Brasília: DF. Articulação Nacional por uma Educação Básica do Campo, 1999. Coleção Por uma Educação Básica do campo, n. 2.

BANDEIRA, F. A. Pedagogia etnomatemática: reflexões e ações pedagógicas em matemática do ensino fundamental. Natal: RN, EDUFRN, 2016.

BRITO, D. R. B. Saberes Matemáticos produzidos por agricultores: uma visão Etnomtemática na Educação Agrícola. Seropédica: UFRRJ, 2016. 65 p. (Dissertação, Mestrado em Educação Agrícola). Disponível em <http://cursos.ufrrj.br/posgraduacao/ppgea/files/2017/03/Disserta%C3%A7%C3%A3o-Dejildo-16.11.16.pdf>. Acesso em 10 nov. 2018.

COSTA, J. B. A.; DAYREL, C. A.; MARTINS, D.; DAYREL, L.S.; FONSECA, G. L. Ser geraizeiro é atualmente lutar pela volta da água: relatório Antropológico de caracterização de identidade étnica e territorialidade da Comunidade Moreira - Rio Pardo de Minas. 2017.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática - Elo entre as tradições e a modernidade. 4.ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

MATOS, S. L. B; MATTOS, J. R. L. O conhecimento matemático de trabalhadores rurais. Curitiba: CRV, 2016. In: MATTOS, J. R. L. (Org.). Etnomatemática: saberes do campo. Curitiba (PR): Ed. CRV, 2016. p. 87-110.

MOURA, A. R. L. A medida e a criança pré-escolar. 1995. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

OLIVEIRA, M. D. Autodefinição identitária e territorial entre os geraizeiros do Norte de Minas Gerais: o caso da Comunidade Sobrado. 138 p. (Dissertação - Mestrado Profissional em Sustentabilidade junto a povos e terras tradicionais). Brasília: Universidade de Brasília, 2017.

RIBEIRO, E. A. A perspectiva da entrevista na investigação qualitativa. Evidência: olhares e pesquisa em saberes educacionais, Araxá/MG, n. 04, p.129-148, maio de 2008.

SOUZA, J. R. Terras Geraizeiras em disputa: os processos de autoafirmação identitária e retomada territorial de comunidades tradicionais de Rio Pardo de Minas frente à concentração fundiária. 228 p. (Dissertação - Mestrado Profissional em Sustentabilidade junto a povos e terras tradicionais). Brasília: Universidade de Brasília, 2017.

YIN, R. Como iniciar um estudo investigativo. In: YIN, R. Pesquisa Qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Editora Penso, 2016. Cap. 3. p. 41-42.

Publicado

2020-11-09

Como Citar

Silva, C. D. D., & Ovigli, D. F. B. (2020). LEVANTAMENTO DAS UNIDADES DE MEDIDA NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADAS NA COMUNIDADE MOREIRA, RIO PARDO DE MINAS/MG: UM OLHAR ETNOMATEMÁTICO. Educação Matemática Em Revista - RS, 2(21). https://doi.org/10.37001/EMR-RS.v.2n.21.2020.p.79-89